Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PS alcança o melhor resultado desde que saiu do Governo

Se o PS tivesse uma forte capacidade de liderança e direcionasse o rumo para a esquerda, até que poderiamos estar perante uma maioria de esquerda, mas o facto é que a esquerda não se entende.

 

O problema é que, na altura de se formar um novo Governo, lamentavelmente, os interesses liberais e capitalistas instalados, do centro-direita, acabam sempre por falar mais alto, sendo que as questões humanas, sociais e laborais acabam sempre por passar para segundo plano.

 

Mas o povo já não dorme! Espero eu.

 

Nma análise mais pormenorizada, sobre estas percentagens, concui-se que, face ao barómetro anterior, o PS sobe apenas 1%, tal como a coligação PCP e PEV, e o CDS-PP. Em sentido inverso, o PSD desce 2%, enquanto o Bloco de Esquerda mantém a percentagem anterior (7%). 
Note-se que esta sondagem foi realizada entre os dias 12 e 14 de abril, duas semanas depois de o secretário de Estado da Administração Pública, Leite Martins, ter lançado ‘a bomba’ sobre a alternativa aos cortes aplicados pela Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES). O que, salienta o DN, pode ter implicações nestes resultados.
De acordo com a mais recente sondagem realizada pela Universidade Católica para o JN, DN, RTP e Antena 1, se as eleições legislativas decorressem este mês, o PS ganharia as eleições com uma vantagem de 6% sobre o PSD, mas apenas de 2 pontos percentuais sobre a coligação PSD/CDS-PP (34%).
Face a este cenário, provavelmente, o PS teria de arriscar governar sozinho ou juntar-se ao BE ( PS 36% + BE 7% = 43%) ou ao PCP/PEV, que permitiria um Governo de esquerda mais estável (?) (.PS 36% + PCP/PEV 12% = 48%). O problema é que o PS não convence para governar sozinho e a esquerda não se entende! 
É mais do que sabido que, apesar do PCP/PEV e do BE estarem a avançar e a consolidar terreno, o facto é que a esquerda não se consegue entender em prol dos portugueses e de Portugal, pelo que, caso um Governo socialista arriscasse governar sozinho, com um défice de capacidade de liderança/governança, arriscar-se-ia a ser derrubado logo no primeiro Orçamento de Estado, tal como sucedeu com o Governo de José Sócrates, cuja capacidade de liderança e de governança parecia ser mais forte.
Sondagem mostra PSD a perder terreno
Note-se que o PS regista de novo apenas uma ligeira subida, quer face à coligação PSD/CDS-PP (34%), quer face aos resultados de 2013 (PS 35%), mas já suficiente para a esquerda surgir, pela primeira vez, em vantagem sobre a Direita, se somadas as percentagens atribuídas a social-democratas e centristas (PSD+CDS-PP = 34% contra 36% do PS). Não se podendo descurar o facto do CDS-PP também se encontrar a melhorar a performance, escapando ao presumível efeito de penalização do Governo de que faz parte.
Não podemos também descurar o facto de, à Esquerda, o PCP consolidar a sua vantagem sobre o Bloco de Esquerda, agora distanciado em 5%. A CDU consolida o terceiro lugar, o BE o quarto e o CDS em quinto, sendo que, mesmo com uma ligeira subida, é agora insuficiente para compensar o recuo do PSD e dar vitória à mcoligação PSD/CDS-PP. 
Mas nem tudo são rosas, sendo que a credibilidade dos líderes partidários anda totalmente a negativo, acrescendo ainda o facto de só 23% dos cidadãos inquiridos admitirem que algum dos partidos da oposição poderia ter melhor desempenho. 

 

O cepticismo sobre as figuras partidárias bate certo com a visão pessimista que a maioria dos inquiridos manifesta sobre o futuro próximo, sendo que, só 35% acreditam na chamada “saída limpa”, ao passo que 43 por cento pensam que será necessário um novo programa de assistência. Perante esta perspectiva, quase metade (49 %) prevê para o próximo ano medidas de austeridade mais duras, mais de um terço (34%) prevê que essas medidas se mantenham, e só uma pequena minoria (11%) espera um desagravamento da austeridade.

 

No plano da popularidade das figuras políticas, as sondagens só apresentam verdadeiros frutos nos casos de Jerónimo de Sousa (PCP) e Catarina Martins (BE), tendo sido os únicos avaliados com nota positiva por uma maior percentagem de inquiridos.

 

Já quanto à popularidade de Cavaco Silva, este obtém pela quarta vez consecutiva uma nota média negativa.

 

Quase metade dos inquiridos acredita que a austeridade ainda vai agravar-se mais, percentagem muito inferior à da última sondagem (62%). Sobe, por outro lado, a percentagem dos que consideram positivo o efeito das medidas até agora tomadas, o que revela um menor pessimismo dos portugueses.

 

 

 

 

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP - Universidade Católica Portuguesa para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 12, 13 e 14 de abril de 2014. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental. Foram selecionadas aleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que os resultados eleitorais das eleições legislativas de 2009 e 2011 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia. Foram obtidos 1117 inquéritos válidos, sendo que 59% dos inquiridos eram do sexo feminino, 31% da região Norte, 21% do Centro, 36% de Lisboa, 6% do Alentejo e 6% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral e do Censos 2011. A taxa de resposta foi de 67%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1117 inquiridos é de 2,9%, com um nível de confiança de 95%.

 

FONTES:

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=731688&tm=9&layout=121&visual=49

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=3819689

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

SAÚDE EM ALERTA VERMELHO: Anda por aí o fantasma das cervejeiras

por José Pereira (zedebaiao.com), em 19.04.14

Venho, mais uma vez, requer a todos os deputados, que dizem defender os cidadãos, que cumpram com a obrigação de solicitar ao Sr Primeiro Ministro (ao Governo), à Sr.ª Ministra das Finanças, ao Sr. Ministro da Saúde e ao Sr. Ministro da Economia, que apresentem aos portugueses a lista dos medicamentos e produtos nocivos para a saúde, que pretendem racionar e taxar, atendendo a que o Sr. Ministro da Economia (Pires de Lima) vem agora confirmar que "não há taxa" sobre os produtos alimentares comercializados que possam ser considerados como "nocivos para a saúde".

 

Refere o Sr. Ministro da Economia, António Pires de Lima, que "tudo não passa de uma ficção, um fantasma que nunca foi discutido em Conselho de Ministros". O Sr. Ministro reforça ainda que "a especulação só prejudica o funcionamento da economia"

 

Será que andam a brincar no Conselho de Ministros e com os portugueses?

 

A ser assim, temos todas as razões para permanecer muito atentos e muito preocupados, sendo que, se a racionalização e o aumento da tributação (impostos) não vão incidir sobre os supostos produtos alimentares, "nocivos para a saúde", tudo indica que vão incidir, de novo, sobre a saúde, ou seja, racionamento e aumento dos medicamentos e/ou tratamentos hospitalares, mais cortes nos serviços de saúde e mesno sobre os trabalhadores e, provavelmente, um novo aumento sobre as taxas moderadoras de acesso à saúde.

 

Se as taxas não vão incidir sobre os produtos alimentares, supostamente nocivos para a saúde, tudo indica que estarão a falar dos medicamentos! Assim, cumpre aos políticos/deputados, que representam os cidadãos, questionar o Governo sobre a lista dos medicamentos e produtos farmacêuticos que são nocivos para a saúde e que, supostamente, estão a ser vendidos/injetados nos cidadãos e a prejudicar a saúde de todos nós. 

 

 

Veja e oiça aqui o vídeo próximo do minuto 6: http://www.portugal.gov.pt/pt/fotos-e-videos/videos/b20140415-conselho-de-ministros.aspx

 

  1. A referência é feita relativamente às medidas a tomar pelo Ministério da Saúde;
  2. É feita na sequência das dívidas ainda acumuladas do lado no setor da saúde (fala-se num reforço de 1.900 milhões feitos entre 2012 e 2013 e de mais 900 milhões a transferir ainda este ano (2014) ;
  3. É neste contexto que é feita referência a um “esforço adicional de racionalização e de aumento da eficácia”, ou seja, racionalização de medicamentos/tratamentos e corte nos serviços de saúde;
  4. “No entretanto e para assegurar esse objectivo, enquanto a redução da despesa não o puder assegurar em exclusivo, poderão ser equacionado contributos adicionais do lado da receita(aumento de impostos/aumento dos preços dos medicamentos e dos tratamentos), designadamente da indústria farmacêutica e dos produtos que têm efeitos nocivos para a saúde”.
  5. Vem agora o Sr. Ministro da Economia (Pires de Lima) reafirmar que estas medidas não são para encetar sobre os produtos alimentares. 

Então quais são esses produtos nocivos para a saúde? São os medicamentos?

 

É que estamos a falar do setor da Saúde e não da tutela das cervejeiras nem tabaqueiras.

 

Já agora, o vinho se bebido com moderação é um alimento.

E a cerveja? Será que também é?

Não nos esqueçamos de onde vem o Sr. Ministro da Economia, ou seja das cervejeiras!

   

Saúde, impostos fantasma Pires de Lima Ministro da Economia Ministra das Finanças, aumento dos medicamentos e produtos nocivos para a saúde

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930





eXTReMe Tracker