Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uso da sanita aos 5 meses (1).jpg

 

Alguma vez pensou como é que os bebés aprendiam a controlar as necessidades fisiológicas antes de haver fraldas, ou como é que ainda hoje fazem em países ou tribos onde não há fraldas?

Saiba que existe um método adotado por um número crescente de mães e pais, incluindo médicos, que é semelhante ao usado desde há séculos em todo o mundo.

 

 

Na última consulta, a Pediatra disse-nos para começarmos a sentar a nossa filha e nós pensamos: porque não começar a senta-la na sanita ou no bacio/penico?, sempre que detetamos aquela expressão facial, aqueles sons e o contorcer do corpo, que qualquer mãe ou pai presentes e atentos, depressa percebem.

 

 

Desde o início que começamos a perceber que se colocássemos a nossa bebé no muda fraldas e fossemos pacientes para aguardar, ela, por vezes, fazia as suas necessidades fisiológicas antes de voltarmos a colocar a nova fralda. Já era uma poupança e até contribuíamos para a redução da Pegada Ecológica, comportamento fundamental para melhorar o ambiente que deixamos aos nossos filhos.

 

Vai daí que, começamos a pesquisar os tempos e métodos mais apropriados para ir preparando a nossa bebé para o bacio ou sanita. Foi assim que descobrimos o método da Higiene Natural do Bebé sem (ou com) fraldas, também conhecido por "Elimination Communication (EC)" ou "Natural Infant Hygiene, and Infant Potty Training"

 

Trata-se de um método que permite começar, desde logo, a trabalhar e a treinar com bebés de colo, com vista a que deixem, o mais breve possível, o uso das fraldas. Há especialistas, incluído médicos, que aconselham esta prática entre o nascimento e o início da locomoção (idealmente por volta dos 5 a 6 meses de idade), sendo também ideal para trabalhar bebés mais crescidos, que têm maior dificuldade em aprender a usar a sanita com redutor ou o bacio/penico.

 

O processo depende muito mais do trabalho de equipa (dos pais com o bebé) e da respetiva comunicação e inter-relação, do que propiamente com aquilo que denominamos por "treino". Ou seja, a tentativa ou insistência sucessiva, sem método de comunicação e de interação com o bebé, não é suficiente e chega mesmo a ser desgastante para os pais e para o bebé. A observação e a comunicação são a chave mestra para que pais e filhos compreendam as necessidades fisiológicas e a forma natural de as praticar.


Há quem defenda que a característica mais importante deste método esteja relacionada com o facto dos pais começarem a trabalhar este método ainda antes do bebé conseguir manter-se sentado. Enquanto muitos pais gastam demasiado tempo e dinheiro em muda continuada de fraldas, descurando ou desconhecendo que os bebés aprendem depressa muitas coisas, inclusive a realização das necessidades fisiológicas na forma e local mais higiénico, nem que seja no jardim ou quintal.

 

Este método é de muito difícil aplicação quando os pais se vêem obrigados a depositar os bebés na creche, sendo por isso importante refletir sobre a licença parental, sobre a responsabilidade social e ecológica e sobre a vida mais natural.

 

Pesquisas relacionadas com artigos sobre higiene natural do bebé

Segue-se informação fundamentada sobre diferentes métodos (em breve será disponibilizada a tradução)

Canadian Medical Association

Toilet training children: when to start and how to train

Darcie A. Kiddoo, MD

Additional article information

Toilet training is felt to be a natural process that occurs with development, yet very little scientific information is available for the physicians who care for children. In reality, toilet training is a complex process that can be affected by anatomic, physiologic and behavioural conditions. Accepted norms of toilet training relate more to cultural differences than scientific evidence. Despite this, parents continue to approach their family physicians and pediatricians for advice about toilet training. This article summarizes the most common methods of toilet training and provides an overview of the literature in an attempt to help physicians provide advice to their patients.

Methods of toilet training have fluctuated over the last 100 years from passive and lacking in structure, to coercive and regimented, to child-oriented and semistructured. The first description of a standardized method of toilet training was published in 1962 by Brazelton. He developed a “child readiness” approach, which was child-focused and unregimented. The children started training at 18 months of age, and, in a group of 1170 children, daytime continence was achieved by a mean age of 28.5 months.1 Children were considered “ready” to start training when they were physiologically capable of the process and when the child and parent were emotionally ready. Both the child and parent needed to be interested and had to be in a social situation where toilet training was possible. The child required some degree of bowel and bladder control, identified by the ability to suppress reflexes of the bladder and bowel, and had to have the neurologic capability to cooperate, as seen in children who can perform basic gross motor skills.

Spock discussed toilet training in Baby and Child Care,published in 1968. Like Brazelton, Spock recommended a child-oriented approach, starting when the child displayed signs of readiness.2He was opposed to absolute rules that could result in behavioural problems.

In 1973, Foxx and Azrin published a method that was structured and parent-oriented.3 This method still required the child to be physiologically and psychologically ready. The authors used predefined tasks to ascertain whether the child was ready. Once readiness was determined, a four-step method was used that included increased intake of fluids, scheduled toileting, positive reinforcement and overcorrection of accidents. Two small studies of 34 and 49 children used this method, and children who had passed the readiness test were trained in a mean of 4.5 hours.3,4

Other methods that have emerged include the very early approach of assisted toilet training in infants,5 operant conditioning and the daytime wetting alarm.6 Early training of infants begins when the infant is two to three weeks of age. The infant is placed on the toilet after a meal and whenever the parent thinks the child may need to evacuate his or her bowel or bladder. The parent makes a noise that is linked to elimination and conditions the child to evacuate with the noise. Variations in this method of toilet training of infants exist, including the three-phase approach and elimination communication. Benefits of these methods include cost savings, limitation of pollution and improvement of comfort. There are no studies evaluating these methods.

Operant conditioning is a component of other training methods; however, this specific approach is based on both positive and negative reinforcement. Dryness is rewarded with affection, toys or candy, and accidents are dealt with through punishment or lack of positive attention. The daytime wetting alarm is a device that is attached to the diaper and rings when wet. Parents are asked to place their child on the toilet when the device rings.

In 2006, the Agency for Healthcare Research and Quality published a systematic review evaluating the evidence for methods of toilet training.7Only three trials included in the review involved healthy children, and none of those three trials directly compared the two most common methods by Brazelton, and Foxx and Azrin. In a randomized trial involving 71 children, the method by Foxx and Azrin performed better than the method by Spock.8 Another trial randomly assigned 406 children to groups and found that the avoidance of negative terms in relation to defecation in addition to the Brazelton method was better than the Brazelton method alone.9 In a randomized study involving only 10 children, the method by Foxx and Azrin was used. Children whose mothers were supervised by an experienced trainer had improved results compared with children whose mothers only read a book.10

Since the 2006 systematic review,7 only one small trial has been published that compared the daytime wetting alarm with simple timed toileting; the study found the alarm to be more successful than simple timed toileting.6

Despite the lack of evidence, the American Academy of Pediatrics and the Canadian Paediatric Society recommend a child-oriented approach based on expert opinion. They advise starting when the child is 18 months of age and suggest that the child must be interested in the process.11,12

Adverse events that are discussed in association with toilet training include toileting refusal for stool, withholding of stool, encopresis, hiding while defecating and urinary disorders of elimination. Only a few studies identified in the 2006 systematic review addressed adverse outcomes.7Brazelton reported a 1.4% incidence of problems after five years of age using his child-oriented method, and Fox and Azrin did not report on adverse events.1,3 One retrospective case–control study of 4332 children found that children who had symptoms of incontinence or infections were more likely to have been rewarded and punished during toilet training, whereas children with no symptoms of the lower urinary tract were more likely to have been encouraged by their parents to try again later.13

A common question asked is when to begin toilet training. Bakker and colleagues and Taubman and coauthors found a higher incidence of incontinence and urinary tract infections when children were trained later (Bakker > 18 mo; Taubman > 42 mo).9,13 Blum and colleagues concluded that toilet training at a younger age (18–26 mo) was associated with a longer training interval but no adverse events.14 More recently, a case–control study and found that toilet training after 32 months was associated with a higher incidence of urge incontinence.15 However, the mean ages may not be clinically significant at 31.7 months in children with incontinence and 28.7 months in controls.

Several groups of authors have found that age at toilet training was not a predictor in children with urologic problems.1618Finally, Joinson and colleagues, who published the only study using regression analysis to evaluate age at toilet training, found that training after 24 months was associated with higher odds of daytime wetting.19

Various methods exist to toilet train children and most start with an evaluation of the readiness of the child. There is no level-1 evidence to prove which method is best. There is little information about long-term harm associated with toilet training. However, there is some evidence to suggest that more disorders of elimination may develop in children who toilet train late. In the absence of evidence, the treating physician must rely on expert opinion and should turn to the Canadian Paediatric Society and the American Academy of Pediatrics for advice for patients that is unlikely to cause harm.

Key points

  • There is little evidence supporting specific methods of toilet training.
  • Toilet training should be started when both the child and parent are willing and able to participate.
  • A positive, consistent approach to toilet training is unlikely to cause long-term harm.

Footnotes

 

Competing interests: None declared.

 

 

This article was solicited and has not been peer reviewed.

 

Article information

CMAJ. 2012 Mar 20; 184(5): 511.
PMCID: PMC3307553
Darcie A. Kiddoo is with the Divisions of Pediatric Surgery and Urology, Department of Surgery, University of Alberta, Edmonton, Alta.
Correspondence to: Dr. Darcie A. Kiddoo, ac.atreblau@ooddikd
 
Articles from CMAJ : Canadian Medical Association Journal are provided here courtesy of Canadian Medical Association

References

1. Brazelton TB. A child-oriented approach to toilet training. Pediatrics 1962;29:121–8[PubMed]
 
2. Spock B. Baby and child care. New York (NY): Meredith Press; 1968
 
3. Foxx RM, Azrin NH. Dry pants: a rapid method of toilet training children. Behav Res Ther1973;11:435–42 [PubMed]
 
4. Butler JF. The toilet training success of parents after reading Toilet Training in Less than a Day. Behavior Therapy 1976;7:185–91
 
5. Sun M, Rugolotto S. Assisted infant toilet training in a Western family setting. J Dev Behav Pediatr 2004;25:99–101[PubMed]
 
6. Vermandel A, Weyler J, De Wachter S, et al. Toilet training of healthy young toddlers: a randomized trial between a daytime wetting alarm and timed potty training. J Dev Behav Pediatr 2008; 29:191–6 [PubMed]
 
7. Kiddoo D, Klassen TP, Lang ME, et al. The effectiveness of different methods of toilet training for bowel and bladder control. Evidence report/technology assessment no. 147. Rockville (MD): Agency for Healthcare Research and Quality; 2006 [PMC free article] [PubMed]
 
8. Candelora K. An evaluation of two approaches to toilet training normal children. Diss Abstr1977;38:(5-B).
 
9. Taubman B, Blum NJ, Nemeth N. Stool toileting refusal: a prospective intervention targeting parental behavior. Arch Pediatr Adolesc Med2003;157:1193–6 [PubMed]
 
10. Matson JL, Ollendick TH.Issues in toilet training normal children. Behav Ther 1977;8:549–53
 
11. Wolraich ML, Tippins S.American Academy of Pediatrics guide to toilet training. New York (NY): Bantam Books; 2003
 
12. Community Paediatrics Committee, Canadian Paediatric Society Toilet learning: anticipatory guidance with a child-oriented approach. Paediatr Child Health 2000;5:333–44 [PMC free article] [PubMed]
 
13. Bakker E, Van Gool JD, Van Sprundel M, et al. Results of a questionnaire evaluating the effects of different methods of toilet training on achieving bladder control. BJU Int2002;90:456–61 [PubMed]
 
14. Blum NJ, Taubman B, Nemeth N. Why is toilet training occurring at older ages? A study of factors associated with later training. J Pediatr 2004;145:107–11 [PubMed]
 
15. Barone JG, Jasutkar N, Schneider D. Later toilet training is associated with urge incontinence in children. J Pediatr Urol 2009;5:458–61[PubMed]
 
16. Chen JJ, Ahn HJ, Steinhardt GF. Is age at toilet training associated with the presence of vesicoureteral reflux or the occurrence of urinary tract infection? J Urol 2009;182:268–71[PubMed]
 
17. da Fonseca EM, Santana PG, Gomes FA, et al. Dysfunction elimination syndrome: Is age at toilet training a determinant? J Pediatr Urol 2011;7:332–5[PubMed]
 
18. Yang SS, Zhao LL, Chang SJ.Early initiation of toilet training for urine was associated with early urinary continence and does not appear to be associated with bladder dysfunction. Neurourol Urodyn 2011. Mar. 10 doi: 10.1002/nau.20982 [Epub ahead of print] [PubMed][Cross Ref]
 
19. Joinson C, Heron J, Von Gontard A, et al. A prospective study of age at initiation of toilet training and subsequent daytime bladder control in school-age children. J Dev Behav Pediatr2009;30:385–93 [PubMed]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agora que o roaming acabou, já podemos procurar o melhor operador e melhor preço por toda a Europa.

Mas qual será a operadora que apresenta os melhores preços das telecomunicações móveis e de internet na Europa?

Deixamos aqui algumas dicas, como ponto de referência,  mas será necessário prestar atenção aos preços e promoções mais atuais.

Por vezes vale a pena pedir a um amigo que nos envie um cartão de telemóvel com serviço de internet.

 

A tabela que se segue contém uma recolha de preços de 2015, sendo por isso um ponto de referência sobre como fazer antes de contratar o serviço. 

3280790_orig-1.jpg

 

Enquanto, nós por cá, ainda temos preços muito elevados para a Internet móvel,  já há países com preços e condições bem melhores que aquelas que nos apresentam as operadoras portuguesas.  Mas também há preços e condições piores. Por isso aconselhamos a que recolham e comparem previamente a informação sobre os preços e condições. 

 

É trabalhoso, mas compensa fazer uma pesquisa sobre os preços e condições,  atendendo a que já não estamos sujeitos ao roaming.

 

Se hoje alguma operadora lhe cobrar mais de 10 euros por 1GB de internet, não aceite e informe-se melhor!

 

Deixamos aqui um site que reúne todas as operadoras de vários países com os preços mais ou menos atualizados ( PrePaid GSM ).

 

LINKS ÚTEIS PARA A SUA VIAGEM Booking.com

Get Your Guide

Rental Cars

Seguros Promo

Autoria e outros dados (tags, etc)

OS EURODEPUTADOS E O USO DO NOSSO DINHEIRO

por José Pereira (zedebaiao.com), em 15.06.17

8484€ por mês + 300€ por dia e depesas pagas, não eram já mais do que suficientes? Infelizmente, demonstram ser quase todos iguais e alguns demonstram o quanto nos enganam e falam falsamente para conseguirem os nossos votos.

Brincam com o nosso dinheiro e até fazem piadas.

O Parlamento, ou seja, os próprios deputados em causa, não autorizam a verificação dos documentos de despesa.

 

Diz o Marinho e Pinto, esse que dizia ser ou querer ser o grande defensor público, que "não conhece esse subsídio", que esses 4342€/mês + os 300€ diários "servem para fugir ao fisco de forma encapotada" e que "ninguém tem nada a ver com isso", ou seja, que os cidadãos eleitores e contribuintes, que se sacrificam para lhes pagar e para nos representar e defender a coisa publica, que não têm que saber onde os eurodeputados gastam o nosso dinheiro, algum do qual se destina especificamente a desenvolver trabalho de representação junto dos cidadãos/eleitores portugueses.

 

Chega Marinho e Pinto a dizer que até à utilização da sua própria casa "atribui um valor económico" como justificação de despesa. Gostava de saber que valor atribui e que despesas insere como justificação. 

 

Pobre democracia.

Pobres políticos...

 

Pobres cidadãos eleitores.

 

Outros dizem que:

● "nada há a devolver", mesmo que utilizado indevidamente; (PSD);

 

● Nuno Melo do CDS nem fala nem disponibiliza a informação, porque sabe como o está a utilizar;

 

●"O controlo não faz sentido", outra surpresa de quem se dizia pretender ser outra grande defensora do controlo sobre a coisa pública (BE);

 

● "Isso de controlar o dinheiro público seria um exemplo de "mercearia" (PT/PDR);

 

● Vá lá que ao menos a Ana Gomes defende o controlo e até publica isso na sua página da internet (PS);

 

● "Não são verbas pessoais" e por isso utilizam as instalações do partido (PCP);

 

Outros pagam-se a si próprios e a familiares para justificar as depesas...

PAGA ZÉ.

 

Mas vamos saber tudinho muito em breve.

 

Veja mais em #TheMEPsProject e #Officespotting

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Veja aqui como ardem estes dois tipos de materiais usados como isolamento nos edifícios e até nos carrinhos de bebé, bem como nos bancos dos veículos, autocarros e barcos.

 

O sistema "capotto" e as fachadas isoladas e ventiladas, parecem muito bonitas, mas já alguém se questionou sobre a qualidade e especificidades da sua aplicação, bem como sobre a segurança que é requerida?

 

Há muito empreiteiro e biscateiro que não sabe o que faz, tal como há muitos autarcas que só querem é mostrar a cara do prédio ou bairro social, lavada para conseguir votos. Por outro lafo, os investidores e empreiteiros (incluindo os biscateiros) querem é (re)construir o mais rapido e mais barato possível para receber o máximo de retorno. 

 

Alerto que os bairros sociais portugueses, entre outros edifícios antigos, designadamente nos Centros Históricos, estão a ser forrados com um embelezamento muito perigoso e até criminoso.  Na gande maioria dos casos só fazem uma lavagem de cara, mas todo o corpo, ou seja, a estrutura e os cuidados de segurança,  são esquecidos. 

 

Por isso pergunto:

● Quem verifica e certifica a estrutura que passa a ficar escondida e a boa e segura aplicação dos materiais?

● Quem verifica e certifica os requisitos tecnicos e a segurança? 

● Quem tem a responsabilidade de verificar a estrutura antes de forrar o imóvel e de avisar o proprietário ou inquilino sobre os riscos estruturais e de incêndio? 

● Terão os cidadãos consciência dos riscos que correm? Se não são técnicos, não têm. Logo, alguma entidade tem essa responsabilidade.

 

Todos hoje sabemos e vemos que o "capotto" e gesso cartonado tapam tudo e deixam o imóvel muito bonito, mas é necessário verificar e (re)validar a estrutura do prédio, saber aplicar, que materiais aplicar e garantir todos os requisitos de segurança do imóvel e sobretudo contra derrocada e contra incêndio.  

 

Espero que, quem de direito, autarcas, empreiteiros, arquitectos, engenheiros e protecção civil, ...,  tomem os necessários e devidos cuidados, sendo que serão os responsáveis pelas futuras mortes.

 

Aqueles que andam por aí a aplicar estes materiais informem-se e qualifiquem-se devidamente, sob pena de também virem a responder pela negligência e pelas consequências causadas.

 

Sejam conscientes e avisem os proprietários sobre as estruturas que encontram e que vão cobrir/esconder. O perigo espreita e as consequências podem ser devastadoras, tal como observamos agora em Londres.

 

Tenho vindo a defender um modelo de Inspecção Periódica Obrigatória para a Habitação, tal como fazemos hoje com os nossos carros e motociclos, devendo os arquitectos e engenheiros,  juntamente com os bombeiros/protecção civil, desenvolver esse trabalho de modo continuado e de forma mais aprofundada e, sobretudo, sempre que se vende ou restaura um imóvel mais antigo.

 

Nenhum imóvel deveria poder ser reabilitado nem habitado sem a inspecção periódica obrigatória em dia.  E, à medida que os imóveis envelhecem, a inspecção deveria ser mais exigente e aprofundada, bem como realizada por períodos mais curtos, até que ocoresse uma nova reabilitação e certificação estrutural e de segurança global.

Tal como fazemos hoje com as viaturas, sempre que um imóvel não reunir os requisitos habitacionais ou comerciais determinados,  "abate-se" e, sempre que justificável,  apoia-se os proprietários mais carenciados em todo este processo de aquisição e/ou reabilitação do imóvel. Não é assim que ocorre o apoio ao abate de viaturas? Porque não fazer o mesmo com as habitações?  É que estas são mais importantes que os carros. 

maxresdefault.jpg

No vídeo que se segue demonstro, em primeiro lugar, como arde o conhecido "roofmate" ou espuma projetada e de seguida demonstro como arde o esferovite, normalmente utilizado no sistema "capotto".

 

●  "Esferovite": Sistema clássico do "capotto", baseado em placas de poliestireno expandido (EPS). Há quem teime em substituir o esferovite pelo roofmate, por este parecer mais resistente (muito errado). O roofmate arde com facilidade e o fumo é muito mais tóxico. Se o isolamento for dobrado nas portas e janelas e ficar ligado ao material combustível do interior, como por exemplo às madeiras ou plásticos das janelas e/ou ao isolamento interior, é caminho aberto para o fogo e o fumo tóxico entrarem com muita facilidade no interior da habitação.

 

images (2).jpg

 

Serviços_ETICS.png

 

foto14.jpg

 

● Roofmate: Poliestireno Extrudido (XPS). Wallmate, Roofmate, Floormate Dow. É um produto mais sólido que o esferovite, mas muito mais combustível e de fumo muito mais tóxico.  A maioria das fachadas ventiladas, chão flutuante e chapas dos telhados contêm este tipo de material altamente combustível. 

Floormate_200-5.jpg

 

telhado3.jpg

 

3Tipo_TITULO_FOTO+T32+L7+1.jpg

 

7e33bd228cc84f7194a5a3c48a3d9e81.jpg


Poliuretano: O poliuretano é um produto sólido, com textura de espuma, e aparência entre a cortiça e o poliestireno expandido ("isopor"). É obtido a partir da reação química, que ocorre quase que instantaneamente, entre dois compostos químicos líquidos. Um dos compostos químicos é um ativador da reação (conhecido por MDI) e o outro é um composto químico conhecido como POLIOL. A espuma de poliuretano pode ser flexível ou rígida. A espuma flexível tem grande emprego na fabricação de produtos domésticos,  tais como: colchões, estofamentos, esponjas de limpeza, peças para a indústria automobilística,...etc. Já a espuma rígida, graças ao seu elevado poder isolante, encontra grande aplicação na indústria de refrigeração: refrigeradores domésticos, balcões frigoríficos de padarias e supermercados, camiões frigoríficos,...etc.

 

Certificacion-eneregetica-edificios-Espana.jpg

 

poliuretano-projectado-img-1.jpg

 

espuma-de-poliuretano-em-torno-do-quadro-de-porta-

 poliuretano-proyectado-madera.jpg

 

images (4).jpg

 

2044-home_default.jpg

Sabemos que a torre Grenfell, de Londres, foi equipada com revestimento de chapa e material isolante, pelo que se viu, altamente combustível.  Muito provavelmente, contendo um dos materiais aqui referidos.

 

Não sabemos a causa do incêndio,  mas dá para perceber alguns dos motivos de tão rápida propagação do incêndio e do fumo extremamente tóxico e mortal.

 

O especialista em segurança contra incêndios, Graham Fieldhouse, disse à BBC Londres que a propagação do incêndio demorou apenas 15 minutos para engolir o prédio, podendo dever-se à utilização e má aplicação de um dos materiais isolantes.

 

O especialista Graham Fieldhouse referiu-se às preocupações já levantadas aquando do incêndio ocorrido em 2009, dizendo que "isto é muito diferente dos incêndios normais que vemos dentro dos blocos, porque normalmente lidamos com o que é interno". "Mas a propagação externa do fogo, que parece ser o caso que aconteceu agora neste edifício, não é novidade, pois no anterior incendio do Lakanal ocorreu exatamene a mesma propagação externa e muito rápida".

 

O fogo e o fumo extremamente tóxico, pode ter subido rapidamente por trás do revestimento e espalhou-se rapidamente para o interior dos andares através da ligação dobrada para as janelas do edifício.

 

Por isso, há que ter muito cuidado com a aplicação dos materiais,  com a separação do exterior para o interior e usar  materiais isolantes das fachadas, incombustíveis.

 

Face a esta nova realidade de construção e reconstrução,  bem como ao facto de estarmos a assistir à reabilitação dos bairros sociais e dos edifícios antigos dos centros históricos com base neste tipo de materiais,  alerto e pergunto se alguém se aconselhou com os especialistas qualificados e se alguém está a proceder a necessária verificação e validação da segurança,  quer da estrutura agora escondida, como da aplicação dos materiais e respectiva segurança contra incêndio.

 

Veja aqui outras demonstrações:

https://www.apsei.org.pt › 2_LNEC
desenvolvimento do incêndio ("ensaios de reação ao fogo"). ... (ISO 9705: Room Corner Test). Os 3 níveis de ...
https://www.apsei.org.pt › media › recursos
02/07/2012 - priedades de resistência ao fogo, ... test for unprotected electric cables ... dos outros, garantindo o seu isolamento elétrico e a sua proteção ...
www.prociv.pt › SEGCINCENDEDIF
EN 1634-1 – Ensaios de resistência ao fogo para portas e sistemas de fecho ... III (Condições gerais de comportamento ao fogo, isolamento e proteção) e em.
 
www.crialazer.com › isolamentos
ISOCASA pertence à classe de resistência ao fogo B2 segundo a norma DIN 4102. Isolamento acústico. O valor de ...
 
www.vortex.com.br › notas › resistencia...
contra fogo ou choque. Teste de manutenção. A segunda razão mais importante para o teste de isolação é proteger e.
 
www.amorimisolamentos.com › o-processo
Resistência ao fogo. Euro classe “E” – EN 13501-1. Condutividade térmica. Resultado de testes entre 0,036/0,038 ...
 
www.rockwool.pt › edifícios+sustentáveis
Daí a importância de se limitar o número de objectos capazes de contribuírem para a propagação do fogo, mediante ...
www.seguranca-ja.com › as-normas-de-s...
... para responder a todas as suas exigências em termos de resistência ao fogo, isolamento acústico e térmico. ▻ ▽.
www.sauerland-spanplatte.net › servicos
As portas resistentes ao fogo precisam da aprovação das autoridades nacionais, que é normalmente concedida após ...
de FSN Oliveira - ‎2014 - ‎Citado por 1 - ‎Artigos relacionados
Palavras-chave: Resistência ao fogo. Alvenaria sem função estrutural. Blocos cerâmicos. Bocos betão. Blocos betão ...

maxresdefault.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sei que sabem o que é o prurido/comichão, mas saberão a causa ou o que é a CBP?
Eu só a descobri depois de alguns anos à procura de uma causa para tamanha comichão e cansaço, sempre diagnosticados como dermatite atópica e aliviados diariamente à base de anti-histaminicos.
Mas quem é que aguenta trabalhar anos seguidos com Atarax enfiado no corpo e na cabeça? O Atarax a mim deixa-me KO, apesar de haver outras alternativas mais suaves, como é o caso do Lergonix.
 
Colangite biliar primária
 
 
 

2017-06-13 16.15.57.jpg

 

A CBP (Colangite Biliar Primária) tem poucos sintomas, e estes são pouco específicos, o que pode atrasar o diagnóstico. Os mais comuns são a fadiga e o prurido (comichão), muitas vezes disgnosticados como dermatite atópica.

 
A prof.ª doutora Helena Cortez-Pinto, Especialista em Gastrenterologia, refere no site http://lr.rarissimas.pt que:
 
A Colangite Biliar Primária é uma doença rara do fígado que se caracteriza por um estado inflamatório crónico, sobretudo a nível dos pequenos canais biliares do fígado, levando a uma deficiência na formação de bílis. Se não forem tomadas medidas de tratamento, a doença tende a progredir para cirrose, e mais raramente para cancro do fígado.

 

Esta doença surge sobretudo em mulheres, com uma frequência de cerca de 9 mulheres em cada 10 doentes, e mais frequentemente na meia-idade, com maior incidência em pessoas entre os 40 e os 60 anos de idade.

 

Há mesmo homens com sorte, sendo que em 10 doentes só um é homem. 

 

Não existe cura para a doença. O principal objetivo do tratamento médico é a estabilização da doença, evitando a sua progressão para cirrose e cancro do fígado. Para além deste objetivo, pretende-se também reduzir os sintomas associados, nomeadamente a fadiga e o prurido.

 

Recomenda-se o tratamento para toda a vida, nos doentes com CBP. Até recentemente, o ácido urso-desoxicólico (UDCA) era a única medicação disponível para o tratamento da CBP, sabendo-se que os doentes que iniciam o tratamento com UDCA numa fase precoce da doença têm uma sobrevivência semelhante à da população geral.

 

O ácido obeticólico, um agonista do receptor farsenóide X (FXR), foi recentemente aprovado nos Estados Unidos e na Europa para o tratamento da CBP.

 

Autor: Prof. Doutora Helena Cortez-Pinto (2017).

Fonte: Texto elaborado especialmente para o Projeto Linha Rara.

Para obter informação complementar e/ou contactos de associações ligadas a esta patologia, contacte a Linha Rara:

300 505 700

linharara@rarissimas.pt

Coloque aqui a sua questão

  
 
 

HELENA CORTEZ-PINTO, MD, PHD
Departmento de Gastroenterologia, Hospital Universitário de Santa Maria - Lisboa
Laboratorio de Nutrição e Metabolismo, Faculdade de Medicina de Lisboa
Av. Prof. Egas Moniz, 1649-035 - Lisbon - Portugal

EMAIL: hlcortezpinto@netcabo.pt

 

2017-06-13 16.15.57.jpg

Patogénese e tratamento da colangite biliar primária

O Prof. Doutor Frederik Nevens - Departamento de Hepatologia do Hospital Universitário Gasthuisberg (Universidade de Leuven) fala-nos desta doença rara referindo e esclarecendo o seguinte:

 
A colangite biliar primária (CBP) é uma patologia rara que atinge o fígado e pouco conhecida em Portugal. Em entrevista à News Farma, o especialista do Departamento de Hepatologia do Hospital Universitário Gasthuisberg (Universidade de Leuven), na Bélgica, Prof. Doutor Frederik Nevens, explica no que consiste a doença e de que forma é feito o seu diagnóstico.

O também investigador principal do estudo POISE – ensaio de fase 3 sobre o uso de ácido obeticólico em doentes com CBP – destaca as metas para o tratamento desta patologia, ainda sem cura, e menciona as opções terapêuticas existentes atualmente.

News Farma (NF) | No que consiste a colangite biliar primária (CBP) e qual a sua etiologia?

Prof. Doutor Frederik Nevens (FN) | A CBP é uma doença hepática crónica que, quando não é tratada, pode evoluir para fibrose hepática, cirrose, insuficiência hepática e até mesmo morte, se o doente não for submetido a transplante hepático.
Ainda que seja uma patologia rara, é a doença hepática colestática mais comum e, geralmente, atinge mulheres no auge da vida, com idade entre os 35 e os 60 anos de idade.

NF | Esta doença era formalmente denominada por cirrose biliar primária. Quais foram as razões que levaram à alteração do nome de “cirrose” para “colangite”?

FN | Essa alteração aconteceu recentemente e deve-se ao facto de 80 a 85% dos doentes com CBP não terem nem nunca desenvolverem cirrose, devido aos avanços nas terapias.

NF | Qual a população com maior probabilidade de ter CBP?

FN | A CBP afeta mais mulheres do que homens, numa proporção de aproximadamente 10:1 e é tipicamente diagnosticada em pacientes entre os 35 e os 60 anos de idade. Aproximadamente uma em cada mil mulheres com mais de 40 anos são atingidas pela doença.
Uma abordagem baseada na população para a deteção de casos tem pouca viabilidade, uma vez que a CBP é uma doença rara.
Outro dado importante, é que esta doença tem sido observada mais frequentemente em populações do norte da Europa e da América do Norte.

NF | Embora a maioria dos doentes seja assintomática, a CBP pode originar algumas manifestações clínicas. Quais são?

FN | De facto, a maioria das pessoas com CBP não têm sintomas no momento do diagnóstico. Na verdade, muitos destes doentes só são diagnosticadas com CBP porque apresentam lesões hepáticas após testes de rotina ao fígado. Por sua vez, os doentes sintomáticos podem ter os sinais mais comuns de CBP: prurido e fadiga.
Alguns doentes progridem para descompensação, após um período de anos, e outros podem permanecer assintomáticos por décadas. Portanto, a progressão da CBP pode variar significativamente.

NF | Como é feito o diagnóstico de CBP?

FN | A CBP é diagnosticada com base em dois biomarcadores no sangue: fosfatase alcalina e anticorpos anti-mitocondriais. A biópsia do fígado, para a observação de características histológicas típicas, também é um método de diagnóstico, mas nem sempre é necessário na prática clínica padrão, uma vez que os resultados dos exames de sangue têm um alto grau de precisão.

NF | Uma vez que se trata de uma doença sem cura, quais são os objetivos do tratamento?

FN | Sabemos que quando controlada de forma inadequada, pode levar à necessidade de um transplante de fígado e à redução da expectativa de vida. O tempo médio estimado desde o diagnóstico até à morte é de aproximadamente 20 a 22 anos sem tratamento.
Os objetivos globais do tratamento são retardar a progressão da doença e reduzir o risco de desfechos adversos, como fibrose hepática, cirrose, insuficiência hepática e morte. Evitar o transplante de fígado é outro dos objetivos.
Mais especificamente, o tratamento visa reduzir a exposição do fígado a ácidos biliares tóxicos e gerenciar adequadamente biomarcadores das doenças. Por exemplo, estudos mostram que os pacientes que têm níveis anormalmente elevados de fosfatase alcalina têm maior risco de transplante de fígado e morte, enquanto que os doentes com níveis mais baixos têm melhores resultados clínicos associados.

NF | O ácido ursodesoxicólico é a principal forma de tratamento utilizada para retardar a progressão da doença. Porquê?

FN | O ácido ursodesoxicólico é um composto aprovado para o tratamento da CBP, considerado atualmente o standard of care destes doentes, a nível europeu.
O mecanismo primário do ácido ursodesoxicólico consiste na diluição da reserva de ácido biliar, substituindo/deslocando concentrações tóxicas de ácido biliar. Este composto tem também vários outros efeitos benéficos na colestase.

NF | Que limitações tem o uso de ácido ursodesoxicólico?

FN | Embora esta terapia tenha tido um impacto significativo nos resultados clínicos, cerca de 40% dos pacientes tratados têm uma resposta inadequada ou ausente, deixando-os com risco significativamente maior de um desfecho adverso (morte, requerimento de transplante de fígado ou outros complicações clínicas).

NF | A U.S. Food and Drug Administration (FDA) concedeu a aprovação acelerada do ácido obeticólico. No que consiste e de que forma pode ser utilizado?

FN | O ácido obeticólico é o primeiro agonista do recetor X farnesóide (FXR) oral aprovado pela FDA com indicação para o tratamento da CBP e a primeira nova terapia para pacientes com CBP, em quase 20 anos, nos Estados Unidos. A indicação é aprovada sob aprovação acelerada com base em um Redução da fosfatase alcalina (ALP) durante um seguimento de 2 anos. Durante estes 2 anos, não foi estabelecida uma melhoria na sobrevivência ou nos sintomas relacionados com a doença. A aprovação contínua para esta indicação pode estar subordinada à verificação e descrição do benefício clínico em ensaios de confirmação.
O FXR é um recetor que pode ser encontrado no núcleo das células hepáticas e intestinais e é um regulador chave das vias metabólicas dos ácidos biliares. O ácido obeticólico aumenta o fluxo biliar do fígado e suprime a produção de ácido biliar no fígado, reduzindo assim a exposição do fígado a níveis tóxicos de ácido biliar.

NF | A aprovação da FDA foi baseada nos resultados do ensaio POISE de fase 3. Quais foram os principais resultados, em termos de eficácia e segurança?

FN | O ensaio clínico POISE foi realizado em centros médicos dos Estados Unidos da América, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Polónia, Espanha e Reino Unido. O POISE foi desenhado para se avaliar a segurança e a eficácia do ácido obeticólico e incluiu 216 doentes com CBP, que apresentavam resposta terapêutica inadequada ou intolerância ao ácido ursodesoxicólico.
Neste estudo, a administração de ácido obeticólico em combinação com o ácido ursodesoxicólico (ou como monoterapia em pacientes intolerantes) atingiu o endpoint primário baseado em fosfatase alcalina e bilirrubina, ambos biomarcadores estabelecidos de progressão da doença.
Tanto a dose de 5-10 mg de ácido obeticólico (46%), como a de 10 mg (47%), foram estatisticamente superiores ao placebo (10%) na obtenção do endpoint primário (p <0,001). Começando com 5 mg/dia e aumentando a dosagem para 10 mg, se necessário, foi a estratégia que tornou o tratamento mais tolerável na maioria dos doentes.
Além do POISE, o ácido obeticólico foi estudado em dois ensaios de Fase 2 e três estudos de extensão de segurança a longo prazo, abertos, para os estudos de Fase 2 e 3. O ácido obeticólico foi estudado tanto em combinação com o ácido ursodesoxicólico, como em monoterapia no pequeno número de doentes que são intolerantes ao ácido obeticólico.
Todos os estudos atingiram o endpoint primário, demonstrando uma redução significativa da fosfatase alcalina, em comparação com o placebo.

NF | Por que razão essa aprovação é tão importante para doentes com CBP?

FN | Considerando que 40% dos pacientes que recebem ácido ursodesoxicólico têm uma resposta inadequada ao tratamento, o que pode levar a um risco aumentado de insuficiência hepática, necessidade de transplante hepático e morte, há uma alta necessidade não satisfeita no PBC. Ao ser aprovado pelo EMA, ácido obeticholic será o primeiro novo tratamento que se torna disponível para os pacientes europeus com PBC em 20 anos.

NF | A aprovação do ácido obeticólico pode reduzir a prevalência de CBP e o número de transplantes de fígado?

FN | É muito cedo para especular sobre o impacto que a aprovação do ácido obeticólico pode ter sobre o número de transplantes de fígado. No entanto, sabemos que a CBP quando não é controlada de forma adequada pode levar à possibilidade de um transplante de fígado e à redução da expectativa de vida.

NF | O que ainda precisa ser feito, não apenas no que se refere ao tratamento, mas também ao diagnóstico?

FN | Há uma grande necessidade de educação contínua, através de publicações para doentes e para médicos. Precisamos de garantir que os doentes reconhecem sinais e sintomas, para que possam falar com o médico atempadamente. Por outro lado, a consciência clínica, especialmente entre os não especialistas, precisa de ser melhorada para garantir que oportunidades de diagnóstico não são perdidas. Necessitamos de garantir que esta doença tem um manejo adequado e que as opções de tratamento a longo prazo são discutidas com os doentes.

Patogénese e tratamento da colangite biliar primária
11/11/2016
Prof. Doutor Frederik Nevens - Departamento de Hepatologia do Hospital Universitário Gasthuisberg (Universidade de Leuven)
 
 

Colangite biliar primária – uma doença enigmática

Urge aumentar o conhecimento da sociedade sobre esta doença que é responsável por cerca de 9% dos transplantes de fígado realizados na Europa.

 

O passo a passo para diagnosticar a colangite biliar primária

Publicado em: 09/05/2016
Por: Fleury Medicina e Saúde​​​​​​​​

Edição: 2016 - Edição Nº 2
 

Estadiamento
As lesões histológicas da CBP classicamente dividem-se em quatro estágios. A doença não acomete o fígado de modo uniforme, sendo possível observar todos os estágios  simultaneamente. A tabela abaixo mostra o sistema mais utilizado: Scheuer (1967) e Ludwig (1978).


Estadiamento                         Scheuer---------------------------------------------Ludwig
I (Portal) Inflamação portal com lesão do ducto biliar, contendo ou não lesão ductal florida           Inflamação portal com lesão do ducto biliar, contendo ou não lesão ductal florida

 

II (Periportal)

 

Reação ductular (fibrose periportal presente)

         

Inflamação periportal (fibrose periportal presente)

 

III (Septal)

 

Fibrose em ponte (ductopenia normalmente presente)

         

Fibrose em ponte (ductopenia normalmente presente)

 

IV (Cirrose)

 

Cirrose biliar

         

Cirrose biliar


 
 

DERMATITE ATÓPICA – SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO

A dermatite atópica é uma lesão de pele que parece uma alergia, mas não é.

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





eXTReMe Tracker