Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ADSE: Novo tarifário aplicado antes de estar em vigor.

por José Pereira (zedebaiao.com), em 30.07.18

Hospital privado convencionado cobrou 9,13€ pelo curativo que antes custava 0,55€. Veja-se o quanto dispararam alguns preços com a nova tabela (Revista DECO, n.° 134). 

2018-07-30 19.32.15.jpg

Os beneficiários devem estar sempre bem informados e permanecer atentos à faturação que lhes é apresentada. Devem confirmar tudo antes de assinar qualquer fatura e verificar os recibos que lhes são emitidos, sendo que,  graças à má gestão, à corrupção e à falta de controlo a ADSE está prestes a entrar em insustentabilidade e quem vai pagar ou perder a ADSE são os beneficiários contribuintes e seus familiares. 

 

Tomando por base o primeiro semestre, constatamos que, nos primeiros seis meses de  2018, a ADSE recebeu dos beneficiários 277,4 milhões de euros, mas  apresentava já uma despesa na ordem dos 347 milhões de euros, sendo assim encaminhada para a insustentabilidade e provável falência. 

Acompanhe o forum no blog dos beneficiários e adira ao grupo dos beneficiários da ADSE no facebook:

BLOG:

www.adsedosbeneficiarios.blogs.sapo.pt

ADSE: Grupo dos Beneficiários

 

FACEBOOK:

ADSE: Grupo dos Beneficiários

ADSE: Grupo dos Beneficiários

Por vezes o beneficiário não dá grande importância ao controlo da faturação por estar a pagar valores simbólicos,  mas devem lembrar-se que só têm esses preços porque todos os meses descontam dos seus salários ou reformas 3,5%, aplicados sobre os 14 meses de vencimento, incluindo o desconto sobre os subsídios de férias e de Natal.

 

Em média, os trabalhadores e reformados da Administração Pública, só vão a 2 a 3 consultas por ano em serviços/ médicos que não têm acordo com a ADSE. Dos 224.160 beneficiários que recorreram às consultas do regime livre (médicos sem acordo com a ADSE) a média de consultas por beneficiário foi de 2,47 em 2017, não sendo no regime não convencionado que residem os maiores problemas que geram a insustentabilidade.  

Pelo facto do Serviço Nacional de Saúde estar cada vez pior, fruto do sucessivo subfinanciamento, associado a um polvo de promiscuidade e corrupção que tudo destrói, os cidadãos vêem-se forçados a recorrer mais vezes aos serviços de saúde privados, sendo também afetada a ADSE, disparando as despesas e as taxas para a suportar.

 

Se um beneficiário utilizar
o regime convencionado (com acordo) este paga 3,99€ por consulta, sendo o restante pago pela receita que a ADSE arrecada com a taxa de 3,5% sobre os salários e reformas, suportando com essas verbas a parte restante, mas só até ao limite de 14,71€. Se uma consulta em serviço/médico privado não convencionado custar 60€ a 100€, a ADSE só comparticipa com 20,45€. 

 

Mas não devemos ignorar que o salário médio da Administração Pública, incluindo os subsídios de férias e de Natal, ronda os 1600€, apesar de haver muitos a ganhar bem menos de 1000€. Logo, em média,  os trabalhadores estão a descontar todos os meses cerca de 40€ para poderem recorrer a serviços de saúde públicos e/ou privados, muitos dos quais recorrem maioritariamente ao serviço público, ao qual têm direito e acesso porque descontam como todos os restantes cidadãos, não sobrecarregando a despesa da ADSE, que tem vindo a dar sinais de insustentabilidade, faltando ainda perceber porquê, já que a taxa de comparticipação aumentou para 3,5% e os excedentes têm vindo a desaparecer. 

 

Estão a decorrer auditorias e processos por má gestão e mesmo por indícios de más práticas, gestão danosa e até por corrupção. Aguardamos por saber os resultados dessas auditorias e processos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Julho 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031





eXTReMe Tracker