Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





DEMOCRATIZAÇÃO OU DESCONTROLO ORGANIZACIONAL POR MERO INTERESSE ELEITORALISTA?

Sempre fui e continuo a ser um acérrimo defensor da democratização das organizações cívicas e políticas, tal como o sou da excelência das boas práticas de liderança e de gestão, seja partidária, organizacional, partidária ou pública. Mas mais defensor sou das organizações cívicas e políticas devidamente participadas e excelentemente representadas. Será que os simpatizantes movediços vão melhorar as organizações? Ou irão ajudar a destruí-las ainda mais. Se demonstrarem a afiliação por via da participação sucessiva e da representação dos valores e princípios do socialismo, pois sejam bem-vindos, mas se for só para andarem ao sabor da onda e dos interesses do lado do poder, lembremo-nos que desses já todos os partidos têm muitos.


Discordo profundamente de calculismos encetados por mero interesse eleitoralista, situação que, se hoje já é desconfortável e tantas vezes indigna face ao arrebanhamento e pagamento das quotas dos militantes por meros interesses eleitoralistas que só visam lugares ou benesses, muito pior poderá vir a ser para o PS um processo democratizador por mera simpatia movediça ao sabor do poder momentâneo, caso o processo de democratização não seja devidamente e seriamente debatido, refletido e serenamente ponderado por todos os militantes socialistas que colocam os valores e princípios acima das excessivas ambições pessoais ou grupais. Venham daí os PPDs todos, mas não aqueles que andam há décadas a lutar contra o PS e em prol de políticas neoliberais ou por mercados completamente desregulados. Para interesseiros já basta os que se encostam ou movem por dentro do PS ao sabor da maré. Será que temos de levar agora com os interesseiros neoliberais que, como sabemos, nunca estão filiados em qualquer partido, mas procuram mamar com todos e andar sempre ao sabor da maré.

 

Eleições primárias no PS José Seguro e António Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

PS - Distrital de Braga apoia iniciativa de António Costa

por José Pereira (zedebaiao.com), em 20.06.14

A terceira maior Federação do PS (Braga), por onde foi duas vezes cabeça de lista o António José seguro, deliberou ontem o apoio à iniciativa de António Costa, no sentido de agilizar o processo eleitoral interno e de se convocar o Congresso Nacional antecido de eleições diretas para Secretário-Geral do PS. 

federação do ps socialitas de braga apoiam antónio costa eleições

 

 

NOTA RELEVANTE:  Referem os militantes que a votação foi de 44 a favor da proposta de António Costa e 2 contra. Outros referem que houve membros da Distrital que abandonaram a sala, não se sabendo se com a intenção de não tomar posição ou se não pretenderem aceitar a votação. De referir que o círculo eleitoral de Braga foi onde, nas duas ultimas eleições legislativas, António José Seguro encabeçou a lista de Deputados, o que representa a mais significativa derrota relativamente ao rumo que está a seguir.

 

Só não vê quem é cego ou quem não quer ver (note-se que os cegos apesar de não verem sentem a visão e as dificuldades).

 

É lamentável que o exagero de ambição pelos lugares ou poder esteja a cegar a capacidade de racionalidade de António José Seguro e ainda de alguns dirigentes da Distrital do PS Porto. Nem sequer compreendem que o arrastar da situação está a prejudicar tudo e todos. Prejudica a imagem dos próprios partidos e políticos, prejudica o PS, mas acima de tudo prejudica a Democracia, bem como o País e a vida de todos os portugueses, sendo que o maior partido da oposição, face a este (des)governo neoliberal e de sucessiva austeridade, sem qualquer sencibilidade social, está a destruir Portugal e a vida de milhões de portugueses que deveriam ser a primeira preocupação dos socialistas.

 

De salientar que a proposta de José Seguro é derrotada no Distrito por onde concorreu e foi eleito como deputado. Deve ter sido por ter representado excelentemente os minhotos que levou os socialistas bracarenses a apoiar a proposta de António Costa.

 

 

Os socialistas minhotos saúdam o apoio dos seus dirigentes e representantes pelo esforço que têm encetado em prol da rápida clarificação deste impasse em que Seguro meteu o PS, o País e a vida dos portugueses.

 

O País e os portugueses em geral necessitam de partidos fortes e com capacidade e competência de liderança e sobretudo de governança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leia a melhor e mais simples explicação estatutária sobre as tácticas dilátórias e as (im)possibilidades inventadas sobre as eleições em Congressos Extraordinários do PS (opinião do ex-Ministro PS, Dr. Correia de Campos):

Correia de Campos, PS, Eleições directas ou primárias estatutos do partido socialista. Comissão Política Nacional do PS, José Seguro e António Costa

"Na direcção do PS a táctica dilatória prevalece: já não são apenas os 4 meses que levam a montar as estatutariamente omissas eleições para candidato a primeiro-ministro; apareceram almas sublimes a defender que um congresso extraordinário não pode mudar a liderança, só por não estar na letra dos estatutos. Ou seja, se houvesse um vazio na chefia máxima, mesmo por causa fortuita ou de força maior, seria necessário esperar pelo calendário regular para dispor de nova liderança".

 

O PS passou a ser o partido do chefe.
Será que José Seguro e quem o acompanhou e acompanha nestas alterações estatutárias não sabiam nem estudaram especificamente o que estavam a fazer, sabendo eles que, face a um processo de crise interna o povo aprova tudo sem ler?

É isto digno de um líder socialista?
Um partido onde é impossível ser demitido o seu líder/direcção por qualquer dos órgãos do partido, onde nem mesmo o próprio congresso tem entre as suas competências o poder de demitir o secretário-geral é um péssimo exemplo para a Democracia e denota bem que a exagerada ambição cega a inteligência desta gente.

Fonte: 

http://www.publico.pt/politica/noticia/na-direccao-do-ps-a-tactica-dilatoria-prevalece-1639971

OPINIÃO:  

16/06/2014 - 05:23


O cargo de secretário-geral do PS tem, hoje, um estatuto verdadeiramente blindado em relação à emanação de qualquer divergência que, no interior do partido, vise por em causa a sua função liderante. E se tivermos em conta que o período do mandato passou a equivaler ao da legislatura (quatro anos), teremos realizado como a natureza do PS evoluiu de um partido dominantemente baseado na colegialidade dos seus órgãos representativos – onde a força da liderança exprime a força das orientações políticas democraticamente debatidas e aprovadas – para um partido de tipo presidencialista onde o chefe, uma vez eleito, no essencial configura aos seus critérios as escolhas internas e as orientações externas. Neste quadro, a democracia partidária, sob a ilusão de se ter tornado mais participativa, foi-se afunilando ao plebiscito e à ratificação. QUE PARTIDO É ESTE? SOCIALISTA? SOCIAL DEMOCRATA?

 

Leia aqui a opinião de Jorge Lacão sobre os Estatutos e a atual natureza do PS:

 http://www.ionline.pt/iopiniao/os-estatutos-natureza-ps/pag/-1 

 

 

Reforce o apoio a esta petição pública.

Passe a mensagem a todos os militantes socialistas.

ASSINE AQUI:  http://www.publico.pt/politica/noticia/na-direccao-do-ps-a-tactica-dilatoria-prevalece-1639971

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

PS no "Prós e Contras" (Século XXI) Militância e Cidadania: Os lugares em tempo de crise - Episódio 9

Sinopse: O Século XXI da era político-partidária é o primeiro século do terceiro milénio que representa o fim da social democracia e o início do novo regime ditatorial. Compreende o período entre 1 de janeiro de 2001 e durará até 31 de dezembro de 2100.

Será o século marcado pela história da crise económica nacional e internacional, mas também da crise partidária e do descrédito do Partido Socialista.

 

Primeira Emissão: Maio de 2014

Fim de Emissão: Outubro de 2100
Duração: Por tempo indeterminado
Classificação: Para militantes e simpatizantes

 

ps partido socialista josé seguro e antónio costa eleições liderança



Por onde caminha e pelo que se rege a cidadania e a militância político-partidária!


Será que ainda existem valores e princípios como sendo a base de suporte dos partidos e pelos quais se rege a militância?


A cidadania e a militância continua a reger-se por princípios ideológicos ou será que hoje ama-se um chefe ou um partido em troca de um lugar ou interesse qualquer?


Como é que a crise económica hoje mexe com os interesses e lugares e mesmo com a convicção ideológica?


Assista ao mais longo enredo partidário que afasta cada vez mais os cidadãos de todas as idades que andam à procura do sentido da cidadania e da militância político-partidária em tempo de crise.


Assista todas as noites ao Prós e Contras, em direto, a partir do Largo do Rato ou de uma Federação qualquer.

Quarenta anos depois, o "Prós e Contras" do Partido Socialista continua a ser o programa mais alargado da democracia portuguesa! Semanalmente haverá um assunto diferente, controverso e atual.

É uma janela aberta sobre o estado da democracia e sobre a realidade político-partidária portuguesa, não se respeitando a pluralidade de opiniões nem a representação democrática.

 

Atingiu-se o ponto de desencontro entre a cidadania e a política!

Autoria e outros dados (tags, etc)

PS e os Santos Populares - VIVA O SANTO ANTÓNIO

por José Pereira (zedebaiao.com), em 13.06.14

"Costa, é de ti que a gente gosta" (Pregão popular dito no Norte - aquando da apresentação da candidatura de António Costa no Porto)

 

VIVA OS SANTOS ANTÓNIOS (António Seguro e António Costa) 
VIVA O SÃO JOÃO (Com Moreira e Pizarro no Porto)
VIVA O 10 DE JUNHO (A desfalecer)
VIVA O PS, SEM OPOSIÇÃO.

 

ENTÃO OS ESTATUTOS E A CONSTITUIÇÃO?

 

 

 

MOBILIZAR O NORTE POR PORTUGAL

https://www.facebook.com/mobilizaronorte

 

MOBILIZAR O PORTO PELO NORTE E POR PORTUGAL

https://www.facebook.com/socialistas.norte

 

 

PS eleições internas socialistas josé seguro e antónio costa ps porto

 

 

 

Veja aqui a petição que foi entregue: http://www.peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT73632

 

José Pereira (zé de Baião) entrega petição mais de 1500 militantes e simoatizantes do PS a António Costa
petição publica congresso e eleicoes no PS António Costa e José Seguro

Veja aqui a petição: http://www.peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT73632

 

antónio costa ps socialista

 

 

antónio costa e josé seguro candidatura ps socialista

 

CANDIDATURA NAS REDES SOCIAIS: 

Siga toda a informação oficial sobre a candidatura

 VÍDEO DA APRESENTAÇÃO DAS LINHAS ESTRATÉGICAS (PORTO)

 

 

 

DISCURSO DE APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA DE ANTÓNIO COSTA

 

 

Caras e Caros Amigos,

Caras e Caros Camaradas

 

Sou candidato às eleições primárias e consequentemente a Secretário Geral do Partido Socialista.

 

Esta é uma candidatura para fortalecer o PS e liderar a mudança política de que o país precisa e que os portugueses querem. Candidato-me por imperativo de consciência, perante o meu partido e perante o meu país.

Portugal precisa de um Governo forte. Capaz de defender os interesses nacionais na Europa, de promover o diálogo político, dinamizar a concertação social, mobilizar os portugueses.

 

Somos uma comunidade que partilha valores e laços de solidariedade. Não nos podemos resignar na descrença, nem ceder ao egoísmo. É em conjunto e solidariamente que Portugal pode vencer os desafios que enfrenta.

 

É urgente travar a dinâmica de retrocesso social, a angustiante incerteza das famílias e dos agentes económicos, a desagregação dos valores colectivos, a destruição dos laços sociais, o confronto constitucional.

 

É urgente afirmar uma nova visão estratégica para Portugal e desenhar uma nova agenda centrada na valorização dos nossos recursos, na modernização das instituições e do tecido económico, na coesão social, no conhecimento.

 

O radicalismo ideológico, a violência social e a falta de resultados positivos da acção do Governo foi gerando uma forte onda de protesto, um amplo consenso nacional de rejeição, uma vasta maioria de oposição, que, em prejuízo das tradicionais fronteiras partidárias, está à espera, com crescente ansiedade, do PS.

Portugal precisa de um PS forte. Por isso, os portugueses querem mais do PS, pedem ao PS um suplemento de confiança, uma energia motivadora, a capacidade de agregar como alternativa de governo a vasta maioria social que exige uma mudança de política.

 

O PS tem de estar à altura das suas responsabilidades, de responder às exigências do presente.

A minha ambição é dar força ao PS, para formar uma solução de governo forte e coesa, que gere confiança, estabilidade, esperança. O país precisa dessa solução. O país exige essa solução.

 

É de Portugal e dos portugueses que o PS se deve ocupar. É ao país e aos cidadãos que o PS tem de saber falar. Por isso, não me refugiarei, nem me envolverei, em querelas estatutárias internas, nem farei ataques pessoais.

Há uma questão política - e às questões políticas devemos dar respostas políticas. Candidato-me com sentido do dever, espírito de serviço e motivação militante.

 

Caras e Caros Amigos

Caras e Caros Camaradas,

 

Uma terapia eficaz exige um diagnóstico acertado e a sucessão de sintomas favorece a confusão sobre a natureza e origem da crise que enfrentamos.

A criação do euro, o alargamento da União Europeia a Leste, a entrada da China nos mecanismos internacionais do Comércio Livre constituíram, no início deste século, um triplo choque, brutal para as debilidades estruturais da economia portuguesa.

 

Desde essa altura, a nossa economia estagnou, alternando anos de recessão com anos de fraco crescimento, ameaçando em consequência a estabilidade das finanças públicas e interrompendo a convergência com a UE.

 

O PS deve orgulhar-se da visão estratégica que enunciou no Governo liderado por António Guterres e do impulso reformista com que, sob a liderança de José Sócrates, assumiu o Governo em 2005.

 

Contudo, estávamos ainda especialmente vulneráveis quando em 2008 se desencadeou a maior crise mundial dos últimos 80 anos e a Europa falhou, primeiro por hesitação, depois pela sucessão de estratégias contraditórias e, finalmente, por dogmatismo ideológico, na resposta à crise.

 

O erro do diagnóstico conduziu ao erro na terapia, com o resultado que conhecemos e a insistência na austeridade só irá continuar a agravar.

 

Há que recuperar o tempo perdido e concentrarmo-nos, de vez, com persistência e continuidade, no que é essencial: superar o atraso estrutural que limita a competitividade, compromete o crescimento e impede a consolidação sustentável das finanças públicas.

 

É claro que parte importante da solução dos nossos problemas exige uma mudança na Europa. Mas esta constatação só significa que precisamos de um governo que não abdique de contribuir para essa mudança e que se bata pela defesa dos interesses nacionais.

 

Somos europeístas, mas não podemos ser euro ingénuos. É necessário corrigir as deficiências que a crise evidenciou da união monetária, compensar os efeitos assimétricos que o euro tem nas diferentes economias, recuperar os danos sociais e económicos provocados pelo ajustamento, encontrar um novo equilíbrio na gestão dos nossos compromissos que favoreça o crescimento sustentável, a criação de emprego, o controlo do défice e a redução da dívida.

 

Numa negociação a 28 é difícil prometer resultados, sem o risco de desiludir. Mas é necessário que haja clareza sobre o que queremos e compromisso sobre a atitude construtiva, determinada e patriótica com que defenderemos o interesse nacional, como parceiros leais, iguais entre iguais e nunca, nunca mais, subservientes.

 

Não dependemos só de nós, mas não podemos adiar o que só depende de nós.

 

É a nós que cabe ter um pensamento sobre o país, os seus problemas e as soluções que queremos.

 

Temos de ser ao mesmo tempo idealistas e realistas. Realistas porque não nos iludimos, conhecemos as realidades e os constrangimentos. Idealistas porque temos ideais, valores e princípios que inspiram o nosso programa e têm de marcar a nossa governação.

 

Por isso, não basta garantir uma simples alternância. A alternância sem alternativa de nada servirá. Ou pior: servirá para criar mais desilusão, mais descrença, mais desconfiança.

 

Não tenhamos dúvidas: se pensarmos como a direita pensa, acabamos a governar como a direita governou.

 

A mudança necessária exige rutura com a actual maioria e a sua política.

 

Os últimos anos tornaram mais nítida a separação das águas entre as opções estratégicas para o nosso desenvolvimento que queremos sustentável, territorialmente coeso, gerador de prosperidade partilhada; promovido por uma sociedade que aposta no conhecimento, dignifica o trabalho, estimula um tecido empresarial dinâmico e a mobilidade social; apoiado num estado respeitador dos direitos constitucionais, que assegura a igualdade de oportunidades, promove a redução das desigualdades, garante bens públicos essenciais e valoriza a defesa nacional, a segurança e a justiça.

 

O empobrecimento e a fragilização de direitos não são uma base sustentável para o crescimento.

 

São a cultura, a educação, a formação, a investigação, a inovação, a modernização tecnológica, a capacitação da gestão, a simplificação administrativa, a inserção nas redes globais que permitirão competir pela qualidade, promovendo o crescimento, gerando emprego e garantindo sustentabilidade ao nosso desenvolvimento.

 

É preciso romper com a visão do curto prazo, com o ciclo vicioso e precário em que o Governo se bloqueou e bloqueou o país, subindo impostos para aumentar a receita ou cortando salários e pensões para baixar a despesa. Portugal precisa de uma nova agenda mobilizadora.

 

Os objectivos políticos, sociais e económicos devem ser acompanhados por uma preocupação permanente da sua sustentabilidade. Não podemos estar sempre a desfazer o que conseguimos fazer de bom, nem podemos viver permanentemente na ameaça da instabilidade, da precariedade, do retrocesso, da regressão. Temos de dar consistência, durabilidade e estabilidade ao que fizermos.

 

Temos de garantir:

A sustentabilidade demográfica.

A sustentabilidade energética e ambiental.

A sustentabilidade financeira.

A sustentabilidade económica.

A sustentabilidade do modelo social.

A sustentabilidade do Estado.

 

Para o conseguir precisamos de reunir vontades, construir compromissos, mobilizar energias. Precisamos de uma maioria sólida, forte, ampla, dinâmica e polarizadora, capaz de assegurar sustentabilidade e uma nova agenda para Portugal.

 

Uma nova agenda para a próxima década. Uma agenda para a recuperação do país, que mobilize o conjunto da sociedade em torno de objectivos nacionais comuns.

 

Concentremo-nos na valorização dos nossos melhores recursos, os portugueses e o território.

 

Não podemos desperdiçar a geração mais qualificada que Portugal formou, vendo partir- ou mantendo no desemprego - a primeira geração que nos permitiu começar a superar o mais grave défice nacional, que é o das qualificações, e temos de saber mobilizar esse extraordinário recurso que é a rede da diáspora das comunidades portuguesas no Mundo.

 

Não podemos desistir das mulheres e homens da minha geração, brutalmente atingida pelo desemprego que ameaça ser de longa duração. Não há portugueses dispensáveis e todos são necessários.

 

Se é verdade que o crescimento gera emprego, também é verdade que o emprego gera crescimento, reforça a sustentabilidade financeira e, sobretudo, devolve dignidade e oportunidade de realização pessoal.

 

Quem abriu novos mundos ao Mundo, é tempo de valorizar os 97% de território nacional que a profundidade atlântica dos Açores e da Madeira nos oferecem em recursos e posicionamento estratégico nas novas rotas globais, assim como é tempo de um novo olhar sobre o território continental, percebendo que, no mercado único europeu, as regiões de fronteira deixaram de ser interior e passaram a ser as regiões mais centrais num mercado ibérico com 60 milhões de consumidores, 6 milhões dos quais estão na imediata vizinhança.

 

Temos de voltar a investir na Cultura e na Ciência, bases da sociedade do conhecimento, condição de uma sociedade de iniciativa, criativa, inovadora, capaz de vencer, tanto na sofisticação do software de última geração, como na revalorização dos produtos tradicionais, produzidos nos territórios de baixa densidade, ou em novas industrias internacionalmente competitivas.

 

Precisamos de modernizar o tecido empresarial e o Estado, fomentando o empreendedorismo, a inovação, na agricultura, nos sectores tradicionais, nos serviços, fortalecer as empresas e apoiar a sua internacionalização, num ambiente institucional favorável, de uma administração ágil, próxima, descentralizada, eficiente, ao serviço da cidadania e do desenvolvimento.

 

Só a coesão social reforça Portugal e mobiliza os portugueses, exigindo-nos que o combate à pobreza, a valorização do trabalho e o combate às desigualdades sejam as prioridades que dão sentido a uma comunidade centrada nas pessoas.

 

É pois, uma agenda de valorização, conhecimento, modernização e coesão.

 

O que é mesmo necessário fazer, não consente promessas fáceis e resultados de curto prazo. Não. O que proponho é uma ambição para a década, um trabalho persistente e continuado para em 2024 celebrarmos os 50 anos de Abril, com a satisfação de termos conseguido ultrapassar obstáculos ancestrais ao nosso desenvolvimento e podermos olhar o futuro com a confiança que hoje faz falta a Portugal.

 

É em torno destes objectivos – desta agenda para a próxima década - que podemos gerar compromissos. Com todos! Com os empresários, trabalhadores do sector privado, funcionários públicos, pensionistas, jovens qualificados, desempregados de todas as idades.

 

No governo, a direita dividiu, explorou os piores sentimentos e rivalidades, atirou os portugueses uns contra os outros, diabolizou grupos etários, sociais e profissionais. Portugal precisa de pacificação e os portugueses anseiam por estabilidade no seu quotidiano. O PS lutará pela coesão, promoverá compromissos, estimulará as parcerias, a concertação, o trabalho em rede e a responsabilidade solidária. Numa palavra, unirá os portugueses para mobilizar Portugal.

 

Caros camaradas

Caros amigos,

 

Sou, como sabem, militante do PS desde os 14 anos.

 

Acreditem, pois, que este é também, um momento de grande emoção pessoal e uma grande responsabilidade, que assumo sem qualquer hesitação, para fortalecer o PS e mobilizar Portugal.

 

Dirijo-me a todos os socialistas, meus camaradas, mas também a todos os portugueses que partilham deste nosso desejo de mudança.

Apelo a que se juntem a mim. Apelo a que se juntem a nós, para sermos a força da mudança e da recuperação do país.

 

Agradeço a todos os que me têm demonstrado o seu apoio, a todos os que me têm feito chegar as suas palavras de apreço e de estímulo. Sei que há, dentro e fora do PS, uma grande corrente de simpatia e apoio, que todos os dias aumenta. Esse apoio sensibiliza-me, honra-me e responsabiliza-me. É uma grande força motivadora. Juntos, começamos agora a construir um novo tempo para Portugal.

 

Como diz o padre António Vieira, um dos grandes visionários da nossa História, que viveu num momento muito duro e difícil, “a mais fiel de todas as companheiras da alma é a esperança”. Mas a esperança, diz também Vieira, “é desejo e confiança”. Funda-se, constrói-se, transmite-se, justifica-se, alimenta-se. É esse o desafio que temos pela frente em Portugal.

 

Vamos ganhá-lo. Todos juntos, vamos ganhá-lo!

Força PS!

Por Portugal e com os portugueses!"

 

 

VER GALERIA DE IMAGENS DOS EVENTOS

https://www.flickr.com/photos/125183249@N02/with/14174643110/

 

ps socialista António Costa mobilizar Portugal e José Seguro Novo Rumo
PARTILHE A CANDIDATURA DE ANTÓNIO COSTA

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens


Posts mais comentados


Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930





eXTReMe Tracker