Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ALIBABA: Do ataque ao comércio tradicional até ao domínio mundial

por José Pereira (zedebaiao.com), em 13.05.14

Continuemos a fazer de conta que existem políticos que dominam a arte ou ciência da organização, da direção, da governação e da administração da causa e da coisa pública. Continuemos a facilitar a desregulação comercial dos grandes grupos económicos e financeiros que um dia veremos onde iremos parar!  Os neoliberais não conseguiram perceber que o laissez-faire poderia vir a produzir indivíduos excessivamente poderosos, como era alertado por Friedman, ao referir que o objetivo principal não deveria ser o laissez-faire, mas sim a regulação pela concorrência do mercado, o qual, sem controlo, iria desenvolver indivíduos e interesses particulares extremamente poderosos: esta via, segundo ele, visava proteger os cidadãos e não deixar os mercados descontrolados. O problema é que, face ao poder e domínio dos grandes grupos económicos a concorrência do mercado não se regula. 

Alibaba, IPO, China, Facebook, eBay, Jack Ma, google

 

Como é que um grupo de homens apelidados de excêntricos e neoliberais capitalistas poderão mudar a política europeia e mundial para o bem comum? Acredita nesses homens? Se não acredita, porque é que aceita que os seus líderes políticos introduzam os seu partido no seio destes movimentos liberalizadores e desreguladores? Eu já aqui havia escrito algo sobre esta temática.

 

Nunca consegui compreender porque é que os comerciantes tradicionais foram abandonando as suas/nossas lojas e os chineses, marroquinos e indianos as foram rentabilizando. Se eles começaram a importar os produtos e a conseguir rentabilidade, nós também teríamos a obrigação de conseguir, até porque já cá estávamos e as lojas eram "nossa" propriedade.

 

Fomos adormecendo à sombra de uma vida de ilusões e os nossos políticos e (des)governantes foram-se envolvendo e sustentando com outros negócios de milhões.

 

Preparem-se que o Alibaba e os 40 ladrões da China vão tomar conta dos mercados mundiais.

 

Grupo Alibaba, que para muitos faz lembrar dos 40 ladrões e que os capitalistas fabricam como negócio, é comandada por Jack Ma, que, em 1999, era apenas um simples professor de inglês em Hangzhou, perto da cidade de Shangai.

 

Este senhor visualizou ou serviu de visualização para a potencialidade do e-commerce, oriunda da China, sendo que as suas vendas só no ano passado chegaram aos 5,7 mil milhões de dólares, sendo maior que a eBay e a Amazon juntos.

 

Referiu recentemente o Sr. Jack Ma que pretende ultrapassar o Google e o Facebook e acreditem que vai conseguir, sendo que continuamos a importar os negócios da China sem a devida regulação, situação que acabará por matar todo o mercado europeu. O comércio tradicional já está morto e a seguir serão atingidos mesmo aqueles que julgam ser os poderosos a nível nacional, mas que não são nada face ao poder de globalização comercial chinês, apoiado pelos nossos políticos e (des)governantes que se alimentam à custa da exploração de todo um povo e das benesses conseguidas pela subserviência ao gigantes grupos económicos e financeiros.

 

Jack Ma já é visto como o maior filantropo da China e começa agora a ser vendido como um tubarão na Europa e na América, sendo comparado com Andrew Carnegie nos Estados Unidos, que atuou no final do século XIX e início do século XX. "Na China é uma verdadeira celebridade, maior que Steven Jobs, Bill Gates ou Mark Zuckerberg e sem nunca ter escrito uma linha de código na vida".

 

Segundo um expressivo artigo publicado no Economist e hoje revendido no Económico à boa maneira das técnicas "think tank" (Academias de transmissão de pensamento ideológico de direita), as pesquisas dos analistas sugerem que a sua empresa poderia valer hoje 150 mil milhões de dólares. Consta que a receita do Alibaba terá subido mais de 50% nos últimos nove meses de 2013 e a sua margem de lucro estará hoje com um crescimento superior a 40%.

 

Por isso, comprem, comprem ilusões e deixem-se estar a viver com tostões. Não exijam a devida regulação dos mercados. Deixem-se estar sentados à espera que o sistema capitalista neoliberal venha colocar em funcionamento a concorrência justa e leal. 

 

Na década de 40, três homens começaram uma batalha solitária contra as novas políticas coletivas, dando assim origem ao neoliberalismo.

  • Karl Popper, filósofo e ex-comunista, criticou pensadores de Platão a Marx que valorizavam o coletivo sobre o individual. 
  • Ludwig von Mises, um economista e ex-esquerdista, defendia que a burocracia não continha os meios para conter-se e muito menos para conseguir a regulação dos mercados financeiros. 
  • Friedrich Hayek defendia que o planeamento e regulação a nível central era impossível, reforçando que nenhuma pessoa, por mais inteligente que fosse, não conseguiria saber  o que as pessoas queriam e precisavam. Os senhores do capital e dos mercados é que sabem o que as pessoas querem e precisam, sendo para isso que desenvolvem estes eventos à boa maneira do "think tank" neoliberal capitalista da escola económica austríaca.

Note-se que até Popper procurou atrair o maior número possível de pessoas para esta linha de pensamento, até mesmo os socialistas, tendo mais tarde vindo a detetar falhas na ideologia do mercado, comparando-a a uma religião.

 

Mas o senhor Stedman Jones acabau até por brincar com estas disputas professorais, tendo afirmado que nunca nos devemos esquecer da palavra "neoliberal" nem do seu verdadeiro significado, sendo necessário derrubar os pugilistas originais e seus seguidores que são contra a regulação estatal. 

 

Milton Friedman, um economista de Chicago, proferiu a palavra "neoliberal" num ensaio de 1951, intitulado "O neoliberalismo e as suas perspectivas". Ele defendia nesse ensaio o "caminho do meio" entre o inimigo do coletivismo e os excessos do liberalismo do século XIX. 

 

O problema é que os neoliberais não conseguiram perceber que o laissez-faire poderia vir a produzir indivíduos excessivamente poderosos, como era alertado por Friedman, ao referir que o objetivo principal não deveria ser o laissez-faire, mas sim a regulação pela concorrência do mercado, o qual, sem controlo, iria desenvolver indivíduos e interesses particulares extremamente poderosos: esta via, segundo ele, visava proteger os cidadãos e não deixar os mercados descontrolados. O problema é que, face ao poder e domínio dos grandes grupos económicos a concorrência do mercado não se regula.

 

Saibamos dizer aos dirigentes de matriz ideológica socialistas, bem alto e de viva voz, que não aceitamos novos alinhamentos de centro-direita, nem votaremos em candidatos a deputados que defendem e têm apoiado um alinhamento à direita, só por se tratar do caminho mais fácil.

Os socialistas, e portugueses em geral, só poderão aceitar votar nas listas do PS depois dos seus líderes afastarem os políticos de pensamento ideológico favorável ao alinhamento à direita liberal e se comprometerem com um rumo de viragem à esquerda, devendo clarificar muito bem que medidas dos últimos Governos e desta Europa pretendem  manter ou revogar num futuro próximo. 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





eXTReMe Tracker