Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quem já esteve internado num hospital sabe que um simples toque numa pessoa e sobretudo num doente pode fazer toda a diferença para a sua recuperação. Que vai ser de nós quando só as máquinas nos tocarem? Este é o dilema que enfrentamos entre o mundo neoliberal que só pensa em privatizar e mecanizar tudo e mais alguma coisa (apenas e só a pensar na maximização dos lucros) e o humanismo, cujo princípio visa colocar o ser humano e a condição humana acima de tudo.

 

Haja equilíbrio e nunca nos esqueçamos da nossa condição humana!

 

 

A mecanização, bem como a Investigação e Desenvolvimento Tecnológico são excelentes, mas desde que não invadam o ser humano nem coloquem em causa a dignidade humana, sendo que a arte e a ciência de cuidar com recurso ao toque humano e social são necessários para cuidar bem da Pessoa de forma integrada. Esta mecanização, a que me refiro, está relacionada com o excessivo recurso a ferramentas que visam substituir o toque caloroso entre os seres humanos e despersonalizar a saúde física e mental, tudo a pensar na maximização do lucro e muito pouco a pensar na condição humana.

 

O Humanismo, no seu sentido amplo, significa valorizar o ser humano e a condição humana acima de tudo. Está relacionado com a generosidade, a compaixão e a preocupação em valorizar os atributos e realizações humanas.

 

A despersonalização é um transtorno que faz com que um indivíduo tenha a percepção sobre si mesmo alterada. No processo de despersonalização, o indivíduo passa a não sentir sequer o seu próprio corpo, pois deixa de o reconhecer como seu.

 

 

É assim que queremos a saúde? É assim que queremos ser tratados na vida saudável e na doença?

 

Lembrem-se que até no momento da morte, por mais frio que seja o toque, todos gostamos de o sentir.

 

Diversos estudos científicos têm reconhecido a importância do “toque” enquanto meio facilitador da interacção entre o técnico de saúde e o doente. Estes estudos têm vindo a demonstrar a existência de benefícios tais como: segurança, compreensão, sinceridade, respeito, apoio, preocupação, tranquilização, encorajamento, desejo de ajudar e desejo de se envolver.

 

 

Utilizem as máquinas, mas nunca se esqueçam do toque humano e social!

o toque, cuidados intensivos,  hospitalização, cuidar, utilização do toque, the touch, intensive care,  hospitalization, caring, touch use

 

Resumo

Diversos estudos científicos têm reconhecido aimportância do “toque” enquanto meio facilitador da interacção entre o técnico de saúde e o doente. Demonstram-se a existência de benefícios tais como: segurança, compreensão, sinceridade, respeito,apoio, preocupação, tranquilização,encorajamento, desejo de ajudar e desejo de se envolver.
Este estudo põeemevidênciaaarteeciência decuidarcom recurso ao toque, necessária para cuidar da Pessoa de uma forma integrada.
A pesquisa, contextualizada a uma unidade de cuidados intensivos,concretizou-seatravés de um estudo de natureza qualitativa, centrada nos enfermeiros prestadores de cuidados,recorrendo amúltiplasestratégias deanáliseeinteracção com osváriosactoresem estudo, nomeadamentea observação participante,entrevistasestruturadas, ondeforaminquiridos15enfermeiros,eentrevistas não-estruturadas (entrevistasinformais), bemcomo,aconsulta do processo do doente.
As estratégias utilizadas na análise dos materiais obtidos através da observação participantee dasentrevistas,apesar de diferenciados, funcionaram de forma complementar e interactiva, possibilitando a triangulação da informação recolhida.
Centrando-nos num dos eixos da pesquisa, que compreende a utilização do toque de forma intencional pelos enfermeiros na prestação de cuidados ao doente.
Assim, destacamos alguns aspectos da utilização do toque em cuidados intensivos, nomeadamente o toque no doente (in)consciente, onde foi observado e referido que os enfermeiros utilizam o toque de forma assumida no doente consciente, o que nem sempre se verifica no doente inconsciente. A utilização do toque como forma de comunicação global, foi observado em algumas situações, principalmente em doentes que apresentavam grande sofrimento e estavam conscientes do meio circundante.

A utilização do toque nos procedimentos agressivos, foi observado e referido por alguns enfermeiros, como um procedimento que pode trazer benefícios para o doente, levando este, a suportar melhor o procedimento. Na aspiração brônquica, foi observado e referido que utilizam o toqueantes, durantee depois daaspiração combenefícios para o bem-estar do doente. No doente em “desmame do ventilador”, o toquefuncionacomo forma deincentivo para a independência em relação à máquina. Nas massagens e nos posicionamentos, o toque é utilizado como forma de enriquecimento do momento de encontro com o doente.

Na avaliação dos parâmetros vitais, verificou-se que alguns enfermeiros enriquecem o momento de avaliação, com os momentos de interacção que estabelecem com o doente.

 

Abstract
Severals cientific studies haveacknowledged the importance of touch as a means to facilitate interaction between the health professional and the patient. The benefits are several: security, understanding, sincerity, respect, support, concern, tranquilization, encouragement, wish to help and
wish to get involved.
This studyshows theartand science of care with the use of touch, essential to care of the person in an integrated way.
The research, which was contextualized in an intensive care unit, was conducted through a qualitative study, focused on nurse caregivers, using multiple analysis and interaction strategies, with the several studied agents: participating observation, structured interviews (15 nurses wereinterviewed)and non structured interviews (informal interviews), as well as consultation to the patients’ file.
Despite being different, the strategies used for the analysis of the obtained data through participating observation and interviews, worked in a complementary and interactive way, allowing the triangulation of the collected data.
Wefocused on oneaxle of theresearch, which understands the intentional use of touch by nurse caregivers. Thus, we highlight some aspects of the use of touch in intensive care, namely the touch in the unconscious patient; it was reported that nurses use touch intentionally in the
conscious patient, which does not always happen with the unconscious patient. The use of touch as a way of global communication was observed in some situations, particularly in patients that presented great suffering and were aware of the surrounding world. The use of touch in aggressive procedures was observed and described by some nurses as a procedure that may bring benefits for the patient, helping him/her to better support the procedure. In lung aspiration, touch is reported to be used before, during and afteraspiration with benefits for the patient well being.

In patients weaning from ventilation, touch works as a way of encouragement to independence towards the machine.
In massage and positioning, touch is used as an enriching way at the moment of meeting with the patient. In the assessment of vital parameters, we saw that some nurses enrichen the moment of assessment, with the interaction moments that they establish with the patient.

 

Fonte:

Artigos de investigação (http://www.index-f.com/referencia/2008pdf/067789.pdf

José Reis dos Santos Roxo 

O Toque na prática clínica

Touch in clinical practice

PhD, Professor Coordenador, EscolaSuperior de Enfermagem de
Coimbra [roxo@esenfc.pt].

 

Palavras chave: O toque, cuidados intensivos, hospitalização, cuidar, utilização do toque

 

Keywords: the touch, intensive care, hospitalization, caring, touch use

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031





eXTReMe Tracker