Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PS - LIDERANÇA!? Três anos com a cabeça enfiada na areia?

por José Pereira (zedebaiao.com), em 05.06.14

CUSTA-ME A ENTENDER O MODELO OU ESTILO DE LIDERANÇA E FICO MUITO PREOCUPADO FACE AO EVENTUAL FUTURO MODELO OU ESTILO DE GOVERNANÇA.

Será que o SG está a falar do estilo de liderança "laissez-faire"? Ou terá inventado um novo modelo ou estilo de não liderança partidária?

eleições ps José seguro antonio costa, primarias, primeiro ministro, governo,  governaça, liderança

Tudo indica que estará a referir-se ao estilo popular que se resume ao enfiar da cabeça na areia até que a tempestade passe. O problema é que um líder que tem a legítima ambição e pretensão de liderar e governar um País, não pode enfiar a cabeça na areia e ficar à espera que a crise económica e social passe.

 

Será que um político de carreira, que chega à liderança de um partido de governo e que tem a ambição de chegar a lider de Portugal, ou seja, a Primeiro-Ministro, não deveria conhecer, pelo menos, os modelos ou estilos de liderança que lhe permitissem conduzir devidamente a organização e ser mais eficaz? É a enfiar a cabeça na areia, durante três anos, que conseguiria tornar o PS coeso e devidamente credível como alternativa governativa?

 

Tendo estudado um pouco sobre liderança e gestão, acreditem que fico cada vez mais baralhado, confuso e, pior, muito preocupado com o futuro do PS e da futura Governação de Portugal, sendo que não consigo compreender nem encaixar essa estratégia de se "anular um pouco" uma capacidade ou competência de liderança, face a três anos de ataques sobre os portugueses e a uma crise económica e social extremamente grave e com consequências imprevisíveis para a paz social.  

 

Acima da paz dos partidos, ou seja, da arrumação de lugares para os dirigentes partidários, deve estar a paz social de um País.

 

Quando uma organização não está "em paz", ou seja, quando está fragilizada, compete ao líder concentrar-se na organização e inspirar as equipas de trabalho, bem como as bases da organização partidária,  rumo a uma visão credível e, por isso, partilhada por todos ou pelo menos pela esmagadora maioria.

 

Face a uma situação de crise ou de instabilidade, um líder tem de se afirmar e trabalhar para credibilizar a organização e não anular-se face aos factores de instabilidade.

 

Imaginem o que seria termos um líder de Portugal, ou seja, um futuro Primeiro-Ministro a tomar a posição de se "anular um pouco" face a uma situação de grave crise nacional ou europeia como a que temos vindo a atravessar. Se não é assustador, para mim é no mínimo um factor de grande preocupação e de especial atenção, sendo que as fragilidades de liderança se revelam verdadeiramente em momentos de maior insegurança ou instabilidade.

 

Note-se que o estilo de liderança "laissez-faire" significa "deixar andar" e é usado para descrever um líder que deixa os colaboradores prosseguir com o que estão a fazer, mas desde que as equipas sejam constituídas por indivíduos com muita experiência e espírito de iniciativa devidamente credível, mas nunca face a um contexto de crise ou de instabilidade organizacional e nacional.

 

No pior dos cenários,  este estilo de liderança é o resultado de um percurso sobre o qual os lideres deixaram de ter controlo ou que na realidade nunca lideraram nem tiveram sob o devido controlo.

É POR ESTE RUMO DE LIDERANÇA QUE PRETENDEMOS ENFRENTAR AS DIFICULDADES E INSTABILIDADES DAS PESSOAS, DO PAÍS E DA EUROPA?

VAMOS METER A CABEÇA NA AREIA ENQUANTO MILHARES DE FAMÍLIAS PERDEM O EMPREGO E SÃO ATIRADAS PARA UMA VIDA DE MISÉRIA? 

EU NÃO POSSO ACOMPANHAR ESSE RUMO!

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930





eXTReMe Tracker