Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O RABELO | Portugal e a Região Norte em números (INE)

por José Pereira (zedebaiao.com), em 11.02.16

Sabiam que há mais portugueses a receber menos de 310 euros de remuneração mensal (4%) do que os que recebem entre 1800 e 2500 euros (4,3%)? Região Norte em Números INE 2014_ganho medio por

 

 

Região Algarve em números

 
 

Na faixa inferior a 310 euros por mês, ou seja, abaixo do limiar da pobreza, estão 149,4 mil portugueses.

Este é o reflexo da destruição e desregulação do mercado de trabalho. Estamos perante a precariedade laboral que um dia vai sair-nos muito cara. 

As estatísticas mostram que a maior parte dos trabalhadores precários e mais mal remunerados é do Norte do País, região onde se concentram 38% de trabalhadores com condições laborais mais precárias e com mais baixos salários (90% dos que têm salários abaixo dos 310€ trabalham no setor dos serviços).

 

Tomando por base a última publicação estatística do INE, refere o dinheiro vivo que "há tantos portugueses a receber menos de 310€ como a receber mais de 1800€" e que "os rendimentos mais baixos estão concentrados na região norte do país".

Nos últimos dados estatísticos são apontados alguns indicadores que merecem reflexão:

  • Apesar do salário médio ser apontado para 828 euros, o certo é que cerca de 2 milhões de portugueses recebiam entre 310 e 900 euros;
  • Abaixo do limiar da pobreza, na faixa inferior a 310 euros por mês, estão 149,4 mil portugueses;
  • Um terço dos trabalhadores portugueses recebe entre 310 e 600 euros;
  • Outro terço recebe entre 600 e 900 euros;
  • A restante fatia é justificada pelos que recebem abaixo do limiar da pobreza e dos que recebem mais de 900 euros;
  • 108,2 mil  trabalhadores ganha entre os 1800 e 2500 euros, estando a larga maioria concentrados na zona metropolitana de Lisboa;
  • 53,2 mil portugueses recebem 2500€ ou mais.

 

Região Norte em Números INE 2014_indice.jpg

Região Norte em Números INE 2014.jpg

 

Região Norte em Números INE 2014_beneficiarios R

 

Região Norte em Números INE 2014_beneficiarios s

 

Região Norte em Números INE 2014_desemprego.jpg

 

Região Norte em Números INE 2014_Despesas dos mu

 

Região Norte em Números INE 2014_disparidade gan

 

Região Norte em Números INE 2014_disparidades do

 

Região Norte em Números INE 2014_ganho medio por

 

Região Norte em Números INE 2014_indice de preç

 

 

 

Região Norte em Números INE 2014_Mescado de trab

 

Região Norte em Números INE 2014_proteção soci

 

 

Últimas pubicações do INE

 
 
Boletim Mensal de Estatística - Dezembro de 2015
2016
O Boletim Mensal de Estatística, contém os principais dados estatísticos mensais e trimestrais organizados nos seguintes capítulos: Contas Nacionais Trimestrais; ...
Capa da publicação
 
Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Janeiro de 2016
2016
O Boletim Mensal da Agricultura e Pescas divulga um conjunto de informação conjuntural relativa ao sector primário. A estrutura desta publicação proporciona, ...
Capa da publicação
 
CPLP em números - 2015
2016
Na VI Conferência Estatística da CPLP-Comunidade de Países de Língua Portuguesa, em Díli, de 8 a 10 de junho de 2015, foi aprovada por unanimidade a ...
Capa da publicação
 
Síntese económica de conjuntura - Dezembro de 2015
2016
A Síntese Económica de Conjuntura é uma publicação de acompanhamento da conjuntura destinada a quem necessita de indicações seguras acerca das ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Emigração: A minha terra e a minha gente

por José Pereira (zedebaiao.com), em 03.12.13

Sou do Norte, Sou de Baião, tenho quase todos os amigos e familiares, da minha geração, emigrados, pelo que, estas notícias vindas de França preocupam-me muito e devem preocupar-nos a todos.

 

Li no Jornal Expresso, do dia 2 de dezembro de 2013, que a França quer acabar com os trabalhadores europeus de baixo custo, querendo isto dizer que querem acabar com milhares de empregos, de recursos, da nossa gente. Política com a qual eu até concordaria, caso não se tratasse de uma forma encapotada para mandar os portugueses de regresso a casa e para o desemprego.

 

Recordo que, só em França, encontram-se cerca de 100.000 trabalhadores portugueses com contractos precários e muitos outros milhares “destacados”, ou seja, pagos por baixos salários, que são processados em Portugal, por vezes até a explorar a nossa gente humilde. Mas que vai ser desta gente e destas pequenas e médias empresas?

 

É sabido que a Frente Nacional de Marine le Pen defende a "preferência nacional" dos franceses no acesso ao emprego em França.

E que vai ser da nossa gente?

Estamos preparados para este regresso a casa?

Lembram-se do que sucedeu com os “retornados”?

Sabem o que isto quer dizer?

Quer dizer, claramente, que se preparam para enviar para casa uns milhares de portugueses que ainda conseguiam trabalho no estrangeiro.

 

Já aqui falei nesta preocupação e volto a questionar: Como é que vamos um dia absorver toda esta gente nas nossas localidades do interior, onde já somos dos mais pobres e onde o trabalho remunerado é cada vez mais escasso?

 

Como é que se estão a preparar as autarquias locais para esta realidade assustadora?

Planeiem com tempo, sendo que, muito em breve será tarde demais!

 

Fontes:

http://expresso.sapo.pt/franca-quer-acabar-com-trabalhadores-europeus-de-baixo-custo=f844021?utm_source=newsletter&utm_medium=mail&utm_campaign=newsletter&utm_content=2013-12-03

 

http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=152144786&DESTAQUESmodo=2

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031





eXTReMe Tracker