Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sabiam que o melhor aluno da Universidade do Porto toca violino, pagava 385€ por mês para estudar no Colégio Alemão do Porto e ingressou no curso de medicina?

Dão a entender as notícias que tocar violino e estudar em colégios privados gera "alunos brilhantes" e dá acesso ao curso de medicina. Mas também referem as mesmas notícias que o "aluno brilhante" é filho de professores universitários, presta atenção nas aulas e depois revê a matéria para os testes. Mas será isto suficiente para desenvolver um bom aluno ou uma mente brilhante?

Eu peço ajuda para refletirmos em conjunto e me ajudarem a compreender.

O filho do meu vizinho, que é operário nas obras, estudou numa escola pública do interior, não toca qualquer instrumento musical, ajudava o pai nas tarefas do campo e ingressou no mesmo curso de medicina. Contudo, aquando do ingresso no ensino superior, não conseguiu ser distinguido como "o aluno brilhante" do ingresso no curso, nem tampouco na Universidade. Contudo, à medida que foi avançando no percurso académico, foi sendo um dos melhores alunos do curso. Não sei se agora é um "aluno brilhante", mas sei que tem sido um dos melhores alunos do curso. 

Falta agora saber qual dará o melhor profissional.

Por isso pergunto:

Será que o "aluno brilhante" depende das aulas de música? É que nas escolas públicas e no interior do país também há escolas de música, muitas bandas filarmónicas, muitos conjuntos de baile e até educação musical nos programas escolares do ensino básico (não havendo educação músical no secundário);

Será que o "aluno brilhante" depende do tipo de instrumento musical que os pais tocam, que ele ouve ou que ele escolhe para aprender a tocar? É provável, sendo que a esmagadora maioria dos alunos na escola pública só têm aulas de flauta e isto só no ensino básico. Mas também há quem toque e oiça tocar violino. Indicam alguns estudos que " a fraca mobilidade social em Portugal tem a ajuda do sistema educativo";

Será que o "aluno brilhante" depende da nacionalidade? Não me parece, sendo que mais de 95% dos alunos são de nacionalidade portuguesa;

Será que o "aluno brilhante" depende do sexo ou género? É provável, sendo que a maioria a ingressar nos cursos com médias mais altas são mulheres (84,7% em enfermagem e 62,7% em medicina);

Será que o "aluno brilhante" depende do nível de formação académica e de rendimentos dos pais? É provável, sendo que os estudos indicam que a escolaridade dos pais limita a mobilidade social e até o salário dos filhos, condições estas que têm tendência a reproduzir-se. Quantos filhos de titulares do subsídio de desemprego ou do RSI/rendimento mínimo foram distinguidos até hoje e destacados nas primeiras páginas dos jornais, como "alunos ou profissionais brilhantes"?

Será que o "aluno brilhante" depende da localidade onde vive e estuda? É provável, sendo que na maioria das localidades do interior não há colégios privados, nem empregos qualificados, nem condições económicas para aceder a tal;

Será que o "aluno brilhante" depende da profissão dos pais e do nível económico, social e cultural destes? É provável, sendo que o "aluno brilhante" do presente ano letivo é filho de professores universitários, que aprendem e tocam violino a um nível profissional, que vão ao cinema, ao teatro e a concertos na Casa da Música;...

Posso ter muitas dúvidas, mas trabalho e estudo estas temáticas há mais de 20 anos e tenho alguns dados que me indicam para algumas (in)certezas: COnstato que, enquanto no curso de medicina só ingressam 12,2% de estudantes economicamente carenciados, no curso de enfermagem ingressam 46,9%. Porque será? Não tocarão violino?

Sei onde ingressou a maioria dos "alunos brilhantes", mas não sei onde terão ingressado os melhores alunos. O percurso académico e profissional irá ajudar-me a obter algumas respostas.

Desigualdades no acesso aos cursos de saúde 2016.

 

Melhor aluno da UP Medicina Colegio Alemão.jpg

 

 

 

Portugal entre os piores. Educação dos pais limita salário dos filhos

 

Fonte: iOnline



 

Fraca mobilidade em Portugal com a ajuda do sistema educativo

 

Fonte: Diário de Notícias

 

Perfil dos Estudantes do Ensino Superior

Desigualdades e diferenciação

Colaboração com a entidade: Universidade Nova de Lisboa
Colecção: Ceos/Inquéritos

Sinopse:

As mudanças estruturais que conhece o ensino superior em Portugal não alteram apenas a oferta do ensino, mas traduzem-se, igualmente, por um alargamento das origens sociais e culturais e mesmo geográficas dos alunos e por uma diversificação das suas trajectórias escolares, das suas motivações, das suas representações, das suas estratégias e práticas face ao ensino e às instituições, dos seus modos de sociabilidade, das suas práticas culturais e de lazer... O projecto de investigação de que resultou a informação que aqui apresentamos foi desenvolvido no CEOS por iniciativa da CNASES – Conselho Nacional para a Acção Social no Ensino Superior, que foi ao mesmo tempo a instituição contratante e a primeira destinatária dos resultados.

 

Conceitos e dimensões da pobreza e da exclusão social: uma abordagem transnacional

Capa
Editora Unijuí, 2006 - 240 páginas
As desigualdades nos planos socioeconômico, cultural, político, etc., traduzem-se por diferentes modos de produção e de expressão da pobreza e da exclusão social. O exercício de comparação transnacional permite-nos uma melhor percepção desta diversidade e, ao mesmo tempo, um conhecimento mais aprofundado dos processos solidários e da especificidade própria a cada contexto nacional. Os contributos que apresentamos neste livro procuram clarificar os conceitos utilizados para dar conta das situações ou tratam de algumas das suas dimensões.
 
 

 

Aqui poderá aceder a uma nota sumária sobre o ingresso no ensino superior público em 2016-2017

Nos espaços que se seguem estão disponíveis diversos estudos e estatísticas.

 

 

 

logo
logos

Autoria e outros dados (tags, etc)

É licenciado na área da saúde? Pretende ingressar no curso de medicina?

Se sim, mantenha-se atento/a aos concursos especiais para titulares do grau de licenciado

A DGES disponibiliza informação relevante nos links que se seguem. Contudo, mantenha-se atento/a à publicitação dos concursos abertos pelas respetivas Universidades/Faculdades.



Estudantes a quem se destina o concurso especial

O concurso especial abrange os estudantes que, cumulativamente:

_ Sejam titulares do grau de licenciado num dos domínios constantes de elenco aprovado pelo órgão científico da unidade orgânica da Instituição de Ensino Superior (IES) pretendida;
_ Se candidatem para acesso ao curso de Medicina;
_ Reúnam as condições fixadas pela IES pretendida, devidamente aprovadas e divulgadas;
_ Satisfaçam os pré-requisitos, quando exigidos pelo par instituição/curso pretendido.


Pré-requisitos

Pares instituição/curso a que pode apresentar candidatura

Realização da candidatura

Documentação

Calendário

Seriação e colocação dos candidatos no concurso especial

Vagas

Restrições

Validade do concurso especial

Creditação

Legislação

Regulamentos das instituições de ensino superior

Mais informações 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930





eXTReMe Tracker