Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pois é car@s amig@s, o NIB vai deixar de ser válido a partir de 1 de Fevereiro de 2016.

Exemplo:

NIB vs IBAN.jpg

Devido ao facto de estarem a ser implementadas soluções de pagamento mais competitivas e inovadoras como, a faturação eletrónica, reconciliação eletrónica, e-payments (pagamentos eletrónicos) e m-payments (pagamentos via telemóvel), entre outros, as transferências bancárias a realizar a partir de 1 de fevereiro de 2016 vão deixar de ser feitas através da indicação do NIB (número de identificação da sua conta bancária), o qual será substituído pelo IBAN (código internacional de identificação da sua conta bancária).

Esta alteração decorre da migração para a SEPA - Single Euro Payments Area (Área Única de Pagamentos em Euros), entrando em funcionamento em 1 de Fevereiro de 2016.

A SEPA permite que os cidadãos e empresas possam efetuar pagamentos usando uma única moeda, em qualquer um dos países pertencentes à zona geográfica abrangida, com a mesma facilidade com que o faziam no seu país de origem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O RABELO | Resultados eleitorais por distrito, concelho e freguesia

por José Pereira (zedebaiao.com), em 25.01.16

Consulte aqui os resultados eleitorais do seu distrito, concelho e freguesia.

Pesquise aqui a sua localidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O RABELO | Mau Maria, o caminho não é sagrado, nem segue para Belém

por José Pereira (zedebaiao.com), em 21.01.16
Se a candidata àPR Maria de Belém vem, nestes e por estes termos, atacar todos os portugueses de populistas e demagogos e ainda afirmar que "nunca abdicaria de nenhum dos seus (privilegiados) direitos". Então não merece o voto nem a confiança de nenhum dos portugueses que durante toda a vida abdicaram de muita coisa para a manter numa situação mais do que privilegiada.

Subvenções Maria de Belém.jpg

 

Pois se a candidata a Belém não tem medo da reação dos eleitores perante esta polémica, acusando todos os portugueses de “demagogias e populismos”, pois esteja certa que também os eleitores não têm medo dos candidatos à Assembleia da República, nem acreditam nos seus eternos populismos e demagogias. O povo está farto de pagar para sustentar benesses e privilégios.
 
Se a Maria e o Manel fossem socialistas e respeitassem e defendessem a Declaração de Princípios do PS, não diriam certamente isto e preocupavam-se em primeiro lugar com a justiça social, bem como com os direitos de todos e não em tratar pela calada dos privilégios de uns poucos que viveram sempre com condições de vida e de rendimentos muito acima da média da dos portugueses em geral.
 
O presidente do Tribunal Constitucional Joaquim de Sousa Ribeiro, foi bem claro quando referiu que se fazem as Leis com brechas inconstitucionais, as quais poderiam e deviam ser corrigidas no Parlamento. Contudo, alguns dos nossos privilegiados deputados, em vez de tratarem das questões de justiça social e da defesa da causa e da coisa pública, em sede própria, ou seja, na AR, fazem o jogo da brecha das Leis e pela calada o jogo sujo dos requerimentos de inconstitucionalidade, inconstitucionalidade essa que eles próprios ajudam a produzir e depois tentar retirar a água do capote por via do Tribunal Constitucional.
 
Se o acórdão do TC refere que “o que esteve aqui em causa do ponto de vista constitucional era uma questão típica da tutela da confiança e a tutela da confiança para ajuizar este tipo de questões não pode olhar só para o presente, temos que olhar para o passado e apreciar as implicações condicionantes”, então o mesmo deveria ter sido feito quando se roubou e continua a roubar uma série de confiança e de direitos conquistados a todos os cidadãos. As situações de privilégio não são úteis ao país e muito menos à democracia.
 
Outro fator que referem ter sido tido em conta é que "estes cortes obrigavam o ex-titular de cargo público a uma relação de dependência para com os membros do seu agregado familiar que sejam titulares de rendimentos”. Mas então não é isto mesmo que determina a legislação que regula todos os apoios sociais, abono de família, complemento solidário para idosos, pensões de sobrevivência, subsídios e bolsas de estudo,...? Se é, porque é que a constituição pode garantir os privilégios de uns poucos e não pode garantir os direitos justamente conquistados e adquiridos por todos os portugueses?
 
Se este fundamento constitucional vingar, então a condição de recursos, que se aplica a todos os cidadãos e para todos os efeitos sociais, não pode ser alargada a nenhum dos familiares. Todos terão então o direito a emancipar-se economicamente e a receber apoios ou subvenções vitalícias de valor superior aos 2.000€ e suficientes para garantir a todos o direito pessoal de uma vida digna, sendo que, como referem os senhores juízes, isto para salvaguardar “a garantia de um rendimento pessoal certo, livremente disponível, suscetível de assegurar simultaneamente a autonomia patrimonial e a continuidade de um nível de vida satisfatório, sem uma degradação excessivamente acentuada”.
 
A verdade é que, tal como todos sabemos, a insuficiência económica não é, nem nunca foi um problema para os ex-políticos, sendo que para a maioria a passagem pelos cargos políticos tem correspondido a um abastado conjunto de privilégios, uma vez que, depois de terminadas as funções públicas, a maioria segue para funções bem remunerados e muito acima da média da dos portugueses.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O RABELO | Ideias & Sugestões - Caixa Automáticas MGarrafas

por José Pereira (zedebaiao.com), em 21.01.16

Na Alemanha cada garrafa tem um valor e esse dinheiro pode ser trocado por compras no comercio local. Uma boa ideias/sugestão seria implementar estas máquinas em todo o comércio tradicional e cada um de nós podermosselecionar, na própria máquina, o NIF da instituição de solidariedade social ou da causa devidamente registada e validada, à qual pretendêssemos dar a nossa contribuição. 

 

Anda muita gente a recolher tampinhas sem saber para onde vão nem que lucro dão.

garrafas devolve dinheiro.jpg

Na Alemanha devolve-se a garrafa e recebe-se o valor justo das mesmas. Pode-se receber este valor em dinheiro ou trocar o talão por compras no supermercado (mas em Portugal o supermercado deveria ser escolhido pelo cliente e esta solução ser direcionada para o comércio local)! 

O ambiente agradece, as famílias ficam mais felizes e todos ficamos a ganhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

OS CIDADÃOS PORTUGUESES NÃO SÃO MACACOS, NEM ESTÃO HOJE IMPEDIDOS DE SUBIR AOS GALHOS.
Assim, o «cidadão» não é apenas sujeito de direitos, mas «detentor de uma parte da soberania política», e como tal a cidadania deveria funcionar enquanto princípio de legitimidade política (Schnapper, 2000, p. 10).
 
POR ISSO, EDUCAÇÃO CÍVICA E POLÍTICA PRECISA-SE: Urge educar o o cidadão efazê-lo perceber que também tem direito e dever de subir à árvore e aceder a um galho.

Tino de Rans dorme com sem abrigo.jpg

 

Recentemente, fixei o provérbio que se segue e que uma senhora comerciante proferiu aos jornalistas das TVs, referindo-se à candidatura do Vitorino Silva (Tino de Rans): "Cada macaco no seu galho", como se ao humilde cidadão estivesse vetada ou restrita a participação cívica e política ou a ascensão social.
Como se o cidadão comum tivesse pré-determinada uma condição social desde que nasce e de onde nunca poderá sair.
 
Ora, é muito mau para a democracia que ainda hoje essa realidade persista na cabeça das pessoas. Infelizmente, foi assim durante muitos anos, pelo que o povo ainda continua a ver a realidade nesses termos.
 
Mas porque é que o povo continua a subjugar-se e a interpretar que não pode subir à árvore?
Como se sabe, o sufrágio universal para os adultos do sexo masculino e do sexo feminino, sem restrições socialmente significativas, só foi adoptado pela primeira vez em 1974 e Abril ainda hoje está por concretizar e creio que está a distanciar-se cada vez mais dos cidadãos.
 
Como refere o Tino de Rans, “quero que a partir de hoje toda a gente olhe para esta gente como gente como nós”, criticando os “políticos deste país que passam em frente dos graves problemas sociais com os vidros fumados e nem olham, nem reparam nesta gente”.
 
E continuou, frisando que “há muita gente que não tem amigos, que não tem com quem conversar, vivem sós, estão desintegrados da sociedade. O objectivo é integrar esta gente, esta gente também conta, e muito, pois é gente com história e é gente que tem muito para ensinar”.
 
 
SUGESTÃO DE LEITURAS:

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





eXTReMe Tracker